Número de trabalhadores na função pública volta a crescer na Madeira

As empresas no perímetro da Administração Pública Regional registaram uma subida de 3,1% no número de funcionários, enquanto que a Secretaria da Educação foi a que perdeu mais empregados.

O número de trabalhadores na função pública apresentou um crescimento de 0,1%, no terceiro trimestre na Madeira, para 19.119, mais 19 do que no trimestre anterior, diz a Direção Regional de Estatística (DREM).

Este resultado vem quebrar a tendência verificada nos últimos dois trimestres em que se assistiu a uma quebra no número de trabalhadores da função pública da Madeira.

O maior aumento foi para os trabalhadores afetos às empresas públicas classificadas no perímetro da Administração Pública Regional que subiu 3,1%, face ao último trimestre.

Em subida esteve também os serviços e fundos autónomos da Administração Regional da Madeira, que registaram um crescimento de 2,6%.

A descer estiveram os trabalhadores da Secretaria Regional da Educação, que tiveram uma quebra de 1,5%, passando a ter menos 150 funcionários sob a sua tutela.

A Secretaria dos Equipamentos e Infraestruturas, e a do Turismo e Cultura, tiveram uma descida de 0,2% e de 0,5%.

Com menos trabalhadores esteve ainda os órgãos do Governo Regional da Madeira, que são menos 154, uma quebra de 1,2% face ao trimestre anterior.

Ler mais
Recomendadas

Binter lança campanha para voos entre Madeira, Canárias e Tenerife

A campanha é válida até este sábado para voos realizados em março.

Orquestra Clássica da Madeira em concerto que comemora os seus 55 anos

O concerto vai ter lugar no Centro de Congressos da Madeira, com início às 18h.

PSD diz que a Madeira “pode orgulhar-se” de ser a primeira no País a avançar com estatuto do cuidador informal

João Paulo Marques diz que a proposta “prova” que o Governo Regional tem a intervenção e o apoio social como áreas prioritárias de governação, “não só apoiando quem mais precisa, mas, com o estatuto do cuidador informal, cuidando de quem cuida e dando condições para que os familiares possam cuidar dos seus doentes em casa, que é onde deles precisam e onde merecem estar”.
Comentários