Número de visitantes estrangeiros na Grã-Bretanha cai para mínimos de 2009

Os dados do Instituto Nacional de Estatística britânico indicam que esta é a maior queda percentual desde a crise financeira, que se fez sentir com maior impacto no país no início de 2009.

Londres, Inglaterra

O número de estrangeiros que visitam a Grã-Bretanha, em turismo ou trabalho, caiu 7,7% para 10.038 milhões entre abril e junho deste ano. Os dados do Instituto Nacional de Estatística britânico indicam que esta é a maior queda percentual desde a crise financeira, que se fez sentir com maior impacto no país no início de 2009.

A maior queda no número de visitantes registou-se entre os norte-americanos, cujas entradas na Grã-Bretanha recuaram 10%. Seguiram-se os europeus, com uma queda de 8% nas visitas à Escócia, Inglaterra e País de Gales. Já entre os visitantes de outros lugares registou-se um recuo de 6%.

Também o total de gastos pelos visitantes estrangeiros desacelerou. Ao todo, registou-se uma queda de 0,3% para 5,8 mil milhões de libras (6,6 mil milhões de euros), em comparação com o ano anterior. O principal motivo das visitas à Grã-Bretanha continua a ser o turismo, que recuou 8%. As visitas de negócios caíram também 15%, enquanto as visitas a amigos e família aumentaram 6%.

A queda da libra esterlina depois que a Grã-Bretanha votou no Brexit tornou a ilha um destino de férias mais barato, o que fez com que o número de visitantes no segundo e terceiro trimestres de 2017 tenha disparado para valores recorde.

Ler mais
Recomendadas

Procurador francês diz que estão acionados todos os meios para encontrar suspeito do atentado de Lyon

As autoridades francesas procuram o presumível autor do atentado ocorrido na sexta-feira numa rua em Lyon, que fez 13 feridos. A investigação judicial, aberta inicialmente por tentativa de homicídio, foi transferida para o Ministério Público de Paris, que centraliza os casos de terrorismo em França.

“Marginalização de África no comércio mundial não mudou muito”, diz ex-dirigente da ONU Carlos Lopes

Carlos Lopes, antigo adjunto do secretario-geral das Nações Unidas, defendeu este sábado em Lisboa que a Zona de Livre Comércio Continental (ZLEC) pode contribuir para acelerar a industrialização da região.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

Presidente norte-americano já disse que vai desclassificar os documentos relacionados com as origens da investigação sobre as ligações russas à campanha.
Comentários