Número de visitantes estrangeiros na Grã-Bretanha cai para mínimos de 2009

Os dados do Instituto Nacional de Estatística britânico indicam que esta é a maior queda percentual desde a crise financeira, que se fez sentir com maior impacto no país no início de 2009.

Londres, Inglaterra

O número de estrangeiros que visitam a Grã-Bretanha, em turismo ou trabalho, caiu 7,7% para 10.038 milhões entre abril e junho deste ano. Os dados do Instituto Nacional de Estatística britânico indicam que esta é a maior queda percentual desde a crise financeira, que se fez sentir com maior impacto no país no início de 2009.

A maior queda no número de visitantes registou-se entre os norte-americanos, cujas entradas na Grã-Bretanha recuaram 10%. Seguiram-se os europeus, com uma queda de 8% nas visitas à Escócia, Inglaterra e País de Gales. Já entre os visitantes de outros lugares registou-se um recuo de 6%.

Também o total de gastos pelos visitantes estrangeiros desacelerou. Ao todo, registou-se uma queda de 0,3% para 5,8 mil milhões de libras (6,6 mil milhões de euros), em comparação com o ano anterior. O principal motivo das visitas à Grã-Bretanha continua a ser o turismo, que recuou 8%. As visitas de negócios caíram também 15%, enquanto as visitas a amigos e família aumentaram 6%.

A queda da libra esterlina depois que a Grã-Bretanha votou no Brexit tornou a ilha um destino de férias mais barato, o que fez com que o número de visitantes no segundo e terceiro trimestres de 2017 tenha disparado para valores recorde.

Ler mais
Recomendadas

Falhar o combate contra o aquecimento global “não seria apenas imoral, seria suicida”, diz António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os representantes presentes na cimeira do ambiente que se não aumentarem os esforços em relação às alterações climática, os resultados serão “não apenas imorais, mas suicidas” para o planeta.

Número de jornalistas presos atinge novo recorde, com 251 profissionais aprisionados

Pelo terceiro ano consecutivo, cerca de 251 jornalistas estão presos em todo o mundo, o que sugere que a abordagem autoritária à cobertura crítica de notícias é mais do que um pico temporário. China, Egito e Arábia Saudita aprisionaram mais jornalistas do que no ano passado. A política é o tema mais arriscado, seguido pelos direitos humanos.

Catalunha novamente ameaçada com a interrupção da autonomia

Governo socialista acena com a possibilidade do regresso do artigo 155 – o que provocará eleições antecipadas na região. O perigo de essa antecipação se dar a nível nacional é cada vez maior.
Comentários