“Nunca trabalhei para a Rússia”, afirma Donald Trump

“Eu nunca trabalhei para a Rússia”, afirmou Donald Trump aos jornalistas, nos jardins da Casa Branca, minutos antes de partir para Nova Orleães, em referência às acusações de conluio com o Governo russo que terá interferido no resultado das eleições presidenciais de 2016.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, negou hoje alguma vez ter trabalhado para o Governo russo, respondendo a uma pergunta a que se tinha esquivado durante o fim de semana.

“Eu nunca trabalhei para a Rússia”, afirmou Donald Trump aos jornalistas, nos jardins da Casa Branca, minutos antes de partir para Nova Orleães, em referência às acusações de conluio com o Governo russo que terá interferido no resultado das eleições presidenciais de 2016.

No sábado, Donald Trump tinha recusado responder a um jornalista da cadeia televisiva Fox News que o interrogou sobre se alguma vez tinha trabalhado para o Governo russo, alegando que a questão era até insultuosa.

O Presidente dos EUA aproveitou ainda a presença dos jornalistas, hoje na Casa Branca, para acusar as antigas direções do FBI e do Departamento de Justiça (que, entretanto, demitiu e substituiu) de serem constituídas por “canalhas conhecidos” e “polícias sujos”.

A decisão de demitir o antigo diretor do FBI James Comey é uma das questões a ser analisadas pelo procurador especial Robert Mueller, no âmbito da investigação sobre o alegado conluio entre a equipa de campanha de Donald Trump e o Governo russo para interferir nas eleições presidenciais de 2016.

Recomendadas

Mais de uma dezena de feridos em manifestação em Atenas contra designação da Macedónia

Mais de uma dezena de pessoas ficaram feridas hoje, em Atenas, nos violentos ataques registados durante uma manifestação contra a ratificação do acordo que prevê a alteração do nome da Antiga República Jugoslava da Macedónia para Macedónia do Norte.

Manifestação contra o aborto e eutanásia junta milhares de pessoas em Paris

De acordo com a agência AP, o grupo de manifestantes apelou a que os médicos deixem de realizar abortos, alegando para isso “objeção de consciência”. Em França são realizados, anualmente, cerca de 200.000 abortos.

Papa pede orações por quem tem responsabilidade pelas mortes no Mediterrâneo

“Penso nas vítimas dos naufrágios no Mediterrâneo. Procuravam um futuro para a sua vida. Vítimas quiçá de traficantes de seres humanos. Rezemos por eles e por todos os que têm responsabilidades no que sucedeu”, disse Francisco durante a celebração do Angelus, na Praça de São Pedro, Cidade do Vaticano.
Comentários