PremiumNuno Amado impedido de votar no ‘board’ da EDP

O BCP deixou de ser intermediário financeiro da China Three Gorges na OPA depois de ter sido impedido de votar numa reunião do CGS da EDP.

O BCP pediu para deixar de ser intermediário financeiro da China Three Gorges (CTG) na OPA sobre  a EDP, depois de Nuno Amado ter sido impedido de votar numa reunião do conselho geral e de supervisão da  elétrica, soube o Jornal Económico.

Nuno Amado é presidente do conselho de administração do BCP e membro do conselho geral e de supervisão da EDP em representação do banco, que tem uma participação na empresa liderada por António Mexia, de 2,43%, através da Fundação BCP e do fundo de pensões.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Generali fecha compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

A Generali acaba de fechar a aquisição da Tranquilidade por um valor de 600 milhões de euros, avança a Bloomberg. A Apollo emitiu um comunicado a confirmar.

BCP diz que Sonangol não mudou de posição em relação à sua participação acionista

Miguel Maya, CEO do Millennium bcp disse ao Jornal Económico que “o BCP tem contacto permanente com os representantes do acionista Sonangol e pode confirmar que não há qualquer alteração à posição que oportunamente foi dada a conhecer por fontes oficiais ao mercado”.

Sonangol está a concluir plano estratégico que passa por vender participação no BCP

A Sonangol tem ações em bancos a operar em Angola: no BAI 8,5%; no BFA 13%, através da Unitel; no Caixa Angola 25%; no Banco Económico 31,5% e em Portugal no BCP 19,5%.
Comentários