PremiumNuno Amado impedido de votar no ‘board’ da EDP

O BCP deixou de ser intermediário financeiro da China Three Gorges na OPA depois de ter sido impedido de votar numa reunião do CGS da EDP.

O BCP pediu para deixar de ser intermediário financeiro da China Three Gorges (CTG) na OPA sobre  a EDP, depois de Nuno Amado ter sido impedido de votar numa reunião do conselho geral e de supervisão da  elétrica, soube o Jornal Económico.

Nuno Amado é presidente do conselho de administração do BCP e membro do conselho geral e de supervisão da EDP em representação do banco, que tem uma participação na empresa liderada por António Mexia, de 2,43%, através da Fundação BCP e do fundo de pensões.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Trabalhadores do Montepio temem que instabilidade se reflita nos resultados anuais

A Comissão de Trabalhadores refere-se às “sucessivas alterações” nos órgãos sociais do Banco Montepio. Os trabalhadores queixam-se ainda do modelo de progressão de carreiras e querem ser envolvidos no Plano de Transformação anunciado por Carlos Tavares.

CMVM, Banco de Portugal e ASF na nova autoridade de resolução

A reforma da supervisão financeira inclui a criação de uma autoridade de resolução bancária que vai ter na administração dois membros do BdP, um da CMVM, um da ASF e um quinto, que virá de fora.

Inibição e Idoneidade de Tomás Correia estão atribuídas a diferentes reguladores

O Governo reagiu ontem às declarações do presidente da Autoridade de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), de sexta-feira à agência Lusa e que hoje estão reproduzidas no jornal Expresso, dizendo que cabe ao regulador dos seguros pronunciar-se sobre a idoneidade de Tomás Correia.
Comentários