“O BE é a segurança de quem não volta com a palavra atrás”, diz Francisco Louçã

O antigo dirigente do BE referiu que o partido tem cumprido com um compromissos e é uma alternativa.

Cristina Bernardo

Durante a convenção do BE, Francisco Louça afirmou que o partido é a segurança de quem não volta com a palavra atrás, acrescentando que os bloquistas cumprem os compromissos e são uma alternativa.

“Sabes, Catarina [Martins] há tempos eu via o Toy Story com as minhas netas e um personagem, perguntado para onde vai, diz que é para o infinito e mais além. Eu sei que este Bloco é mais humilde, aprendemos que o próximo passo e o caminho são mais concretos do que um infinito que nunca existe, mas sabemos para onde vamos, a tua força, a nossa força”, disse Francisco Louçã numa intervenção na XI Convenção Nacional do BE.

Num discurso que terminou com os delegados a levantaram-se para uma ovação, o fundador bloquista deixou a garantia de que “o Bloco é a segurança de quem não volta atrás com a palavra dada”.

“O Bloco é a segurança no cumprimento dos compromissos. Comprometemo-nos a acabar com as privatizações e cumprimos. Comprometemo-nos a aumentar o salário mínimo e cumprimos. Comprometemo-nos a aumentar pensões, a começar a regularização dos precários e cumprimos”, elencou.

Para além de saber para onde vai o partido, Louçã não esqueceu de onde vem o BE.

“Da Helena Lopes da Silva, do Miguel Portas, do João Semedo e tantos outros e seguimos por este caminho. O Bloco levanta-se como alternativa e dá as mãos a quem é segurança da luta, do povo”, destacou.

Para o antigo líder bloquista, o partido “tem de ser a segurança de quem sabe que tem a maior das maiorias absolutas”, sendo esta, por exemplo, a segurança do salário digno, do emprego e da casa de família, pelo respeito pelos idosos ou pela igualdade.

“O BE é a segurança contra e imenso e insidioso partido da corrupção, que vai dos submarinos aos Visto ‘Gold’ e às parcerias público-privadas”, assegurou.

Francisco Louçã foi perentório: “se querem chamar moralismo à exigência de que ministro e empresário não roubam dinheiro público, chamem-nos moralistas. Somos republicanos”.

“Cumprimos e queremos fazer cumprir”, concretizou.

Segundo o fundador do BE, “há quase 200 anos que se vive com ‘fake news'”, criticando que, em termos mundiais, “os rufias tomaram conta da direita e são aplaudidos pelos milionários”.

“Agora a política suja está por todo o lado e é o medo. E como vencemos o medo? A minha resposta é: Garantimos ao povo segurança”, defendeu.

Ler mais
Recomendadas

“Soldado do futuro”. Governo vai investir 171 milhões de euros em equipamento militar

O maior esforço financeiro na preparação do “soldado do futuro” deverá notar-se entre os anos de 2019 e 2022, quando estão previstos gastos de 74,8 milhões de euros,

Primeiro-ministro aponta matérias sociais como base para novos acordos à esquerda

O primeiro-ministro espera ter a confiança dos portugueses para fazer mais um mandato neste cargo e considera que matérias sociais como saúde, educação e combate às desigualdades podem ser base para novos acordos à esquerda.

António Costa: “É importante que franqueza transparência se mantenham com Angola”

A visita oficial de João Lourenço, que se inicia hoje e se prolonga até sábado, “restabelece a normalidade de uma relação que é muito frutuosa de parte a parte e que tem de continuar e desejavelmente deve prosseguir sendo aprofundada”, afirmou o primeiro-ministro, citando o próprio presidente angolano.
Comentários