“O Conselho de Governadores é um Conselho e não um ‘one-woman show'”, diz economista-chefe da Allianz GI

Stefan Hofrichter diz ao Jornal Económico que o atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão e destaca que as decisão do Banco Central Europeu dependem dos vários membros do Conselho de Governadores e não apenas do seu presidente.

A política monetária tornou-se refém do passado, diminuindo a margem de decisão, defende Stefan Hofrichter ao Jornal Económico. O economista-chefe da Allianz Global Investors (Allianz GI) explica que se os bancos centrais enfrentam dois cenários antagónicos que limitam o processo de decisão.

“Se optarem por políticas mais rígidas arriscam grandes deslocamentos nos mercados financeiros. Se continuarem [a seguir uma política] flexível, correm o risco de alimentar mais os riscos da estabilidade financeira”, realça. “Estão condenados se o fizerem [hike], e condenados se não o fizerem”.

Stefan Hofrichter salienta que “não só para o Banco Central Europeu (BCE), mas também para a Reserva Federal norte-americana, a política monetária está condicionada pelas próprias decisões no passado”, que classifica como “assimétrica”.

Questionado sobre a margem da sucessora de Mario Draghi à frente do BCE a partir de novembro, Christine Lagarde, o economista-chefe da Allianz GI considera que “o Conselho de Governadores do BCE é um conselho, não um “one-woman show”.

“Por isso, sozinha não poderia desenvolver uma mudança radical de política monetária, mesmo que o quisesse – o que é improvável de qualquer maneira”, acrescenta. “Os principais instrumentos [que dispõe] são estimular discussões internas, investigação e organizar efetivamente o processo de decisão”.

Atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão

O economista-chefe da Allianz GI revela preocupação com “as consequências negativas não intencionais a longo prazo” da atual política monetária.

“Não só limita as opções no caso de uma nova recessão. Claramente também limita o risco de alimentar um novo ativo e bolha de crédito e aumenta os riscos da estabilidade financeira”, refere.

Para Stefan Hofrichter a política monetária nos últimos 30 anos tem sido, em conjunto com a “desregulação do mercado financeiro”, propício para o aparecimento de crises financeiras, incluindo a de 2007/2009. “No caso de uma nova crise financeira, teríamos que esperar que os bancos centrais aplicassem todos os tipos de ferramentas convencionais e não convencionais”, sinaliza.

O economista salienta, no entanto, não esperar uma repetição da última crise financeira, considerando que “a dinâmica conjunta dos preços da habitação e do crescimento do crédito do setor privado, está significativamente em melhor forma do que em meados dos anos 2000”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPor trás dos números – Os ‘Midas’ e a arte de bem investir

Foi a paixão pelos números que os levou a querer perceber o que explica as oscilações das ações. Habituados a lidar com a alta pressão, os analistas de mercados são inundados por avalanchas de dados financeiros, que analisam para acautelar e valorizar os investimentos dos clientes. Consideram que há excesso de regulação e que a tecnologia prejudicou os pequenos investidores.

Apetite dos investidores pela dívida portuguesa não deverá tirar férias

Esta quarta-feira, o IGCP realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro, num mês em que “há menos” liquidez nos mercados. Segundo o diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, “apesar de estarmos em agosto” não irá ter qualquer efeito na ida de Portugal aos mercados.

Wall Street fecha no ‘vermelho’ com receio de recessão

No dia que antecede a publicação das minutas da reunião de julho da Fed, todos os setores encerraram a sessão em terreno negativo, a começar pelo financeiro.
Comentários