O fator cultural

Claro que o mundo é cada vez mais global, mas as instituições, as organizações e a cultura mudam de forma relativamente lenta.

Cruzei-me pela primeira vez com o trabalho de Gert Hofstede há quase dez anos, através do seu livro “Culturas e Organizações” (1997). Desde que começou o seu trabalho na década de 70, Hofstede defende que há matrizes identitárias que distinguem de forma clara os habitantes de cada país, uma análise que permanece válida.

Esta semana, um amigo mostrou-me que a equipa de Hofstede disponibiliza uma ferramenta online que permite observar as diferenças entre cada país, em seis eixos. Às anteriores quatro dimensões de análise – Distância hierárquica; Individualismo; Masculinidade e Tolerância à incerteza – juntaram-se mais duas: Orientação de longo prazo e Complacência. Vale mesmo a pena visitar o sítio e passar algum tempo a explorar os resultados.

Claro que o mundo é cada vez mais global, mas as instituições, as organizações e a cultura mudam de forma relativamente lenta. As implicações do reconhecimento destas diferenças são cruciais para uma boa presença em ambientes multiculturais e, porque não dizê-lo, para uma melhor compreensão dos outros e do mundo.

Recomendadas

Tecnologia anima Wall Street, que aguarda decisões da Fed

Os títulos da rede social Facebook fecharam com um disparo de 4,24%, para 189,01 dólares. Os investidores estão ainda atentos aos resultados trimestrais da Oracle e da Adobe.

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Energia e Altri põem PSI 20 a cair mais de 1%

As praças de Lisboa, Madrid e Amesterdão destoaram do ‘verde’ das suas principais congéneres da Europa.
Comentários