O fim das criptomoedas?

A bolha especulativa rebentou, mas isso não significa que todas as criptomoedas desapareçam.

O colapso no preço da bitcoin e demais criptomoedas está a levar a que muitos vaticinem o seu fim. As criptomoedas tornaram-se interessantes pelas suas características distintivas e por se colocarem como alternativa às moedas convencionais.

À medida que captaram atenção, também valorizaram e atraíram fortíssimo interesse especulativo, que resultou em bolhas em praticamente todos os ativos deste universo. Foram criados milhares de projetos, alguns deles fraudulentos, que apenas pretendiam aproveitar esse entusiasmo.

A bolha especulativa rebentou, mas isso não significa que todas as criptomoedas desapareçam. Provavelmente, resistirá uma mão-cheia de projetos independentes mais importantes, associados às blockchain com utilizações em projetos com utilidade.

Sendo realista, é muito improvável que os Estados e os Bancos Centrais permitam que criptomoedas independentes possam ter um papel importante no sistema monetário no futuro, mas o mesmo não acontecerá com as criptomoedas a serem emitidas pelos Bancos Centrais. O dinheiro digital e criptografado será, provavelmente, o dinheiro do futuro. Por outro lado, a tokenização criptografada deverá ser uma tendência.

 

Recomendadas

Moody’s melhora perspetiva de evolução de Moçambique de negativa para estável

Agência de notação justificou a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores.

Moeda angolana encerra semana estável face a euro e dólar

Divisa angolana tem-se mantido relativamente estável há cerca de dois meses, oscilando entre os 353 e os 359 kwanzas.

Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.
Comentários