O fim das criptomoedas?

A bolha especulativa rebentou, mas isso não significa que todas as criptomoedas desapareçam.

O colapso no preço da bitcoin e demais criptomoedas está a levar a que muitos vaticinem o seu fim. As criptomoedas tornaram-se interessantes pelas suas características distintivas e por se colocarem como alternativa às moedas convencionais.

À medida que captaram atenção, também valorizaram e atraíram fortíssimo interesse especulativo, que resultou em bolhas em praticamente todos os ativos deste universo. Foram criados milhares de projetos, alguns deles fraudulentos, que apenas pretendiam aproveitar esse entusiasmo.

A bolha especulativa rebentou, mas isso não significa que todas as criptomoedas desapareçam. Provavelmente, resistirá uma mão-cheia de projetos independentes mais importantes, associados às blockchain com utilizações em projetos com utilidade.

Sendo realista, é muito improvável que os Estados e os Bancos Centrais permitam que criptomoedas independentes possam ter um papel importante no sistema monetário no futuro, mas o mesmo não acontecerá com as criptomoedas a serem emitidas pelos Bancos Centrais. O dinheiro digital e criptografado será, provavelmente, o dinheiro do futuro. Por outro lado, a tokenização criptografada deverá ser uma tendência.

 

Recomendadas

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.

Centeno confirma que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo ao FMI

A medida tinha sido anunciada por António Costa, a 29 de novembro, como “um virar de página”. Em conferência de imprensa est segund-feira, Centeno explicou que a poupança obtida através do pagamento antecipado foi de 100 milhões de euros.

Adiamento da votação do Brexit arrasta bolsas europeias

Na bolsa portuguesa o PSI 20 caiu 1% para 4.788,3 pontos, arrastado sobretudo pelas quedas das papeleiras e da Mota-Engil.
Comentários