O melhor do vinho nacional na 7a edição do Mercado de Vinhos do Campo Pequeno

O evento regressa a Lisboa entre os dias 19 e 21 de outubro. Nesta edição o destaque vai para a região demarcada do Dão e para os pequenos e médios produtores.

Serão 160 os expositores onde poderá provar vinhos, espumantes e outros produtos regionais.

Este ano, a CVR Dão celebra 110 anos de elevação a região demarcada e é convidada de destaque. Críticos e consumidores têm dado cada vez mais atenção aos vinhos provenientes do Dão, nomeadamente aos da casta típica encruzado (uva branca), pelo equilíbrio e capacidade que proporciona aos vinhos. As conhecidas touriga nacional (uva tinta) e a malvasia (uva branca) têm sido, também, as castas bandeira da região.

Mas o certame traz mais novidades. Ao longo dos três dias, o auditório localizado no centro da arena, recebe “Conversas e um copo de vinho” – um programa gratuito onde enólogos, produtores e técnicos vão partilhar experiências e curiosidades do seu trabalho.

Os visitantes poderão ainda conhecer a exposição itinerante “Da Vinha ao Vinho – as Castas Portuguesas”. Esta pretende valorizar o património vitivinícola nacional , mostrando vários painéis alusivos ao tema e outros elementos com que o público poderá interagir. Identificar aromas e sabores, e descobrir a essência dos vinhos, é o objetivo da mostra.

De volta ao evento está o Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola, que se centra na captação de produtores e cooperativas de todas as regiões vitivinícolas do país, oferecendo aos expositores condições especiais de participação na iniciativa.

O Mercado de Vinhos é uma organização conjunta do Campo Pequeno e da House of Wines.

Ler mais
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários