O Nosso Futuro

Os números ilustram o cenário que nos foi imposto nos últimos meses com uma clareza difícil de contrariar. Mais de um milhão de trabalhadores ficou em situação de layoff como consequência da pandemia; em abril a percentagem de desempregados registava um aumento de 24,3% desde fevereiro, e mais de metade das empresas nacionais tinham pessoas em regime de teletrabalho na primeira quinzena de maio, segundo dados do Banco de Portugal e INE.

 

Daqui, surgem alterações ao planeado e uma necessidade clara de reinvenção por parte das organizações e classe trabalhadora. As transformações acontecem em todas áreas, mas dependem, sempre, do setor de atividade, da possibilidade e capacidade de implementar alterações e da recetividade às mesmas. O cenário dos escritórios e do teletrabalho, os métodos de recrutamento e processos de onboarding, a presença das pessoas e o contacto entre todos, e a participação e envolvimento em causas sociais são alguns dos campos de maior destaque neste tema.

Apesar de em contexto semelhante (quando falamos da situação pandémica), a adaptação pode ser diferente quando comparamos, por exemplo, o setor secundário e terciário – e até quando confrontamos atividades específicas dentro de cada um. Mas, no geral, a crença é de que o futuro do emprego será tecnológico, próximo de todos, mas igualmente responsável.

Na área dos Recursos Humanos, a Multipessoal aposta na digitalização de processos que permitam a proximidade entre todos, numa altura em que foi imposta distância na sociedade. Assim, junta-se à inteligência digital a promoção das ferramentas que permitem a agilidade dos serviços ao dispor de todos, analisam-se tendências de mercado e desenvolvem-se ferramentas úteis para enfrentar as suas oscilações. Sempre com foco na criação e manutenção de relações únicas.

E porque as pessoas e o seu bem-estar serão sempre a prioridade, mesmo quando a realidade é estranha e o futuro imprevisível, faz sentido falar-se em Employee Advocacy assim como em Responsabilidade Social – individual e corporativa – promovida na organização.

É neste âmbito que a Multipessoal lança O Nosso Futuro, suportado em quatro pilares distintos: o futuro inteligente, o futuro emprego, o futuro eu e o futuro responsável.

Neste Futuro, a Multipessoal apresenta-se ainda mais próxima de todos os que consigo colaboram: Colaboradores, Clientes, Candidatos e Parceiros. Divulgam-se medidas que facilitam processos burocráticos como a disponibilização dos recibos de vencimento online ou a assinatura digital de contratos de trabalho; simplifica-se o contacto com consultores de recrutamento para Candidatos e Colaboradores com o lançamento de um Assistente Virtual e para Clientes com o lançamento das landing pages dos managers da área de Recrutamento e Seleção Especializado, onde facilmente se agenda uma reunião ou conversa. Com o objetivo de contribuir para a reativação do emprego em Portugal, de forma responsável, até ao final do ano a Multipessoal vai doar parte da receita das colocações da área de Recrutamento e Seleção Especializado. Será também oferecido, gratuitamente, a todos os portugueses a oportunidade de terem o seu Currículo analisado de forma personalizada através do Assistente Virtual disponível no website.

A distância social imposta pela pandemia veio acelerar a transformação da Multipessoal e, por isso, a implementação de mudanças e o desenvolvimento de ferramentas que garantem que hoje estão prontos enfrentar os desafios que irão surgir no amanhã, com todos aqueles com quem colaboram.

 

 

Este conteúdo foi produzido em colaboração com a Multipessoal.

Ler mais
Recomendadas

Assista agora à JE editors Talks: Energia Solar

Assista agora e conheça o potencial português na área da energia solar e saiba que importância esta terá no futuro do fornecimento de energia nacional.

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Regulador aprova alteração de marca da EDP Distribuição para E-REDES

Em comunicado, o regulador refere que a alteração da imagem e denominação da gestora das redes de distribuição de energia “será implementada de forma gradual, por forma a assegurar a neutralidade de custos para os consumidores de eletricidade”.
Comentários