“O processo de fusão de escolas foi pouco claro e transparente”, critica JPP

O partido refere-se à fusão entre a Escola da Fajã da Ovelha com a da Calheta. O JPP teme que o estabelecimento escolar “perca a sua autonomia a nível da gestão” e acusa a Secretaria Regional da Educação de “não ter ouvido os interessados neste processo”.

Ler mais

O JPP criticou o que considera ser um processo pouco transparente na fusão de escolas, na Madeira, referindo-se em particular à junção da Escola da Fajã da Ovelha com do estabelecimento escolar Básico e Secundário da Calheta.

“A fusão entre a escola da Fajã e a escola Básica e Secundária da Calheta é um processo que foi pouco claro e transparente. A própria portaria emitida pela Secretaria da Educação dá conta de que não houve tempo para audiências, comprovando-se que os maiores interessados neste processo não foram ouvidos, nesta e noutras escolas da Região que estão a passar por este processo”, criticou o deputado do JPP, Paulo Alves.

Esta fusão, defendeu Paulo Alves, vai fazer com que a Escola da Fajã da Ovelha “perca a sua autonomia ao nível da gestão” e que projetos como os de Educação e Formação para Adultos (EFA) estejam “dependentes de pareceres e de uma harmonia entre as duas escolas”.

“Por respeito para com os alunos, para com os funcionários, os professores e a direção da escola, deveria ter havido, por parte da tutela, também respeito pela autonomia desta escola, e não se deveria ter feito esta fusão à pressa”, vincou.

Paulo Alves refere ainda que o presidente da Junta de Freguesia denunciou que “não emitiu parecer relativamente a esta decisão” e que a escola já tinha “manifestado o seu descontentamento” perante esta decisão. O deputado do JPP diz ainda que a fusão tem gerado descontentamento por parte da população local e alerta que “os alunos da Ponta do Pargo já têm de se deslocar para a Fajã e, futuramente, passarão a ter aulas na Calheta, aumentando significativamente a distância e, consequentemente, o preço dos transportes”.

De recordar que a Secretaria da Educação já tinha negado o encerramento de escolas explicando que o que iria existir era fusão das administrações dos estabelecimentos e que em termos de funcionamento os estabelecimentos iriam continuar operacionais.

Relacionadas

Sindicato Democrático dos Professores critica “decisão extemporânea” relativamente às Escolas da Fajã da Ovelha e Curral das Freiras

O responsável pela estrutura sindical diz que as decisões parecem ter sido tomadas de um momento para o outro.

Secretaria da Educação nega encerramento de escolas e que fusões se devem à demografia

O secretário regional da Educação diz que vai existir uma fusão de gestão, mas que em termos de funcionamento os estabelecimentos de ensino continuam operacionais.

CDS-PP quer debate sobre fusão de escolas na Madeira, Somos Todos Monte é contra fusões na freguesia

O CDS-PP Madeira diz que a maneira como foi proposta a fusão das escolas pelo Governo Regional revela falta de bom senso. O Somos Todos Monte refere que num cenário de encerramentos dos edifícios escolares da freguesia isso vai colocar dificuldades acrescidas às famílias.
Recomendadas

25 casas do povo abrangidas por contrato programa na Madeira

O conselho de governo celebrou ainda um contrato-programa como a Investimentos Habitacionais da Madeira, como comparticipação financeira, no valor de 500 mil euros.

Emanuel Santos cria novo busto de Cristiano Ronaldo

Nova obra do escultor madeirense ainda não tem destino e visa expressar a admiração pelo internacional português.

Três novas ambulâncias asseguram transporte de doentes em 4 municípios da Madeira

Em 2017, o Serviço Regional de Saúde da Madeira transportou mais de 130 mil doentes não urgentes.
Comentários