“O PSD está há muito em greve de combate político”, diz Carlos Carreiras

O autarca social-democrata acredita que tudo se encaminha para uma “vitória esmagadora” do Partido Socialista (PS) nas legislativas de outubro, dada a “absoluta inoperância” do Partido Social Democrata (PSD) na oposição.

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, considera que o Partido Social Democrata (PSD) está “há muito em greve de combate político”. O autarca social-democrata acredita que tudo se encaminha para uma “vitória esmagadora” do Partido Socialista (PS) nas legislativas de outubro, dada a “absoluta inoperância” do PSD na oposição.

“O PSD está há muito em greve de combate político. Claramente, não está a cumprir os serviços mínimos. Temo que a situação já só se componha com uma requisição civil convocada pelos militantes”, ironiza Carlos Carreiras, num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no jornal “i”.

Para o autarca de Cascais, “o poder absoluto da maioria socialista contrasta com a absoluta inoperância da oposição” e, apesar de não ter “poderes de adivinhação”, Carlos Carreira arrisca dizer que isso vai atribuir para a maioria absoluta do PS nas legislativas. “Abram alas a António Costa, em velocidade de cruzeiro para uma vitória esmagadora em outubro”, atira.

Já sobre a greve dos motoristas, Carlos Carreiras acredita que será outro trunfo a favor do PS. “Não falta muito para António Costa começar a pressionar publicamente a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) para se sentar à mesa e conseguir um acordo”, escreve.

Recomendadas

Oficial: Governo decreta fim da crise energética a partir da meia-noite

António Costa fala numa “vitória da democracia e da legalidade democrática” e que Portugal soube mostrar uma “grande maturidade”. Primeiro-ministro revela que a reposição da total normalidade dos combustíveis demorará dois a três dias.

Mexida no mapa eleitoral facilita reforço do PAN e entrada de novos partidos

Bastaria repetir o número de votos nas europeias para o PAN triplicar a presença na Assembleia da República e para que pelo menos a Aliança e o Livre elegessem deputados. Aumento do peso dos círculos de Lisboa e Porto facilita vida dos pequenos partidos.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.
Comentários