“O PSD está há muito em greve de combate político”, diz Carlos Carreiras

O autarca social-democrata acredita que tudo se encaminha para uma “vitória esmagadora” do Partido Socialista (PS) nas legislativas de outubro, dada a “absoluta inoperância” do Partido Social Democrata (PSD) na oposição.

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, considera que o Partido Social Democrata (PSD) está “há muito em greve de combate político”. O autarca social-democrata acredita que tudo se encaminha para uma “vitória esmagadora” do Partido Socialista (PS) nas legislativas de outubro, dada a “absoluta inoperância” do PSD na oposição.

“O PSD está há muito em greve de combate político. Claramente, não está a cumprir os serviços mínimos. Temo que a situação já só se componha com uma requisição civil convocada pelos militantes”, ironiza Carlos Carreiras, num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no jornal “i”.

Para o autarca de Cascais, “o poder absoluto da maioria socialista contrasta com a absoluta inoperância da oposição” e, apesar de não ter “poderes de adivinhação”, Carlos Carreira arrisca dizer que isso vai atribuir para a maioria absoluta do PS nas legislativas. “Abram alas a António Costa, em velocidade de cruzeiro para uma vitória esmagadora em outubro”, atira.

Já sobre a greve dos motoristas, Carlos Carreiras acredita que será outro trunfo a favor do PS. “Não falta muito para António Costa começar a pressionar publicamente a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) para se sentar à mesa e conseguir um acordo”, escreve.

Recomendadas

OE2020: Funcionários admitidos até 2005 podem perder férias se estiverem de baixa prolongada

Os funcionários públicos admitidos antes de 2006 e que estiverem de baixa por doença superior a 30 dias podem vir a perder dias de férias, segundo uma proposta do Governo ainda em negociação com os sindicatos.

“Pirralha!”. Greta Thunberg defende causa indígena e Jair Bolsonaro reage

Bolsonaro referia-se às declarações da jovem no Twitter, em que afirmou que “os povos indígenas estão literalmente a ser assassinados por tentar proteger a floresta da desflorestação ilegal. Repetidamente. É vergonhoso que o mundo permaneça calado sobre isso”.

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.
Comentários