Especial 2018: O PSD vai conseguir reafirmar-se como alternativa política?

A eleição direta (pelos respetivos militantes com as quotas pagas) de um novo líder, no dia 13 de janeiro, será a última oportunidade para o PSD se reinventar até às eleições legislativas de 2019.

Mas, a fazer fé nas sondagens, a mudança de líder, por si só, não deverá evitar mais um ciclo político na oposição (2019-2023), sobretudo se não estiver associada a uma correlativa mudança de discurso, estratégia e programa.
Até ao momento, tanto Rui Rio como Pedro Santana Lopes ainda não conseguiram marcar a diferença entre ambos, nem em relação ao antecessor Pedro Passos Coelho e ao futuro adversário António Costa. Aliás, Nuno Morais Sarmento já alertou: “Com os respetivos feitios, qual dos dois é que tem uma visão do país, um caminho diferente? É que se for para andar à volta, eu voto Costa. Para ficar onde estamos, eu voto Costa. Se é para gerir com habilidade política, o Costa é bom, é um político de primeira categoria.”

A inexistência de debates na campanha eleitoral (de âmbito interno e quase invisível a partir do exterior) tem contribuído para essa indistinção, mas também há respostas (e não respostas) dos dois candidatos, em recentes entrevistas, que indiciam falta de ideias e incapacidade para reafirmar o PSD como alternativa política. A tendência tem sido “andar à volta”, reutilizando a expressão de Sarmento (curiosamente, trata-se do mandatário nacional da candidatura de Rio), ou mimetizar.

Na maior parte dos casos, o poder acaba por cair no colo do líder da oposição, esteja ou não preparado para governar, tenha ou não erguido uma alternativa política consistente (ou seja, a maior prioridade é não ser derrubado por rivais internos). Mas desta vez há uma série de circunstâncias desfavoráveis ao PSD, com destaque para os bons resultados económicos do governo do PS e o novo paradigma de alianças à esquerda.

Rio ou Santana Lopes terão de superar um caminho de pedras e o ano de 2018 será decisivo na preparação desse hercúleo desafio.

Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários