PremiumO ‘urso’ chega aos mercados emergentes

O dólar forte, a guerra comercial e a política da Fed formaram uma tempestade que já levou várias bolsas emergentes para o bear market. As quedas contrastam com o bull market em Wall Street, mas os analistas já alertam sobre um eventual contágio.

O urso esmaga a presa com a pata enquanto o touro levanta-a com o chifre. A metáfora, usada nos mercados para marcar ciclos de quedas e de ganhos, respetivamente, é especialmente apropriada numa altura em que vários indíces bolsistas nos mercados emergentes entraram em fase bear, enquanto os de Wall Street continuam perto de máximos históricos.

As definições variam, mas uma das mais consensuais é que o bear market inicia quando um índice desvaloriza 20% face ao último pico. Foi isso que aconteceu na semana passada ao MSCI Emerging Markets Index, um índice composto por mais de 800 cotadas médias e grandes em 24 países e que é considerado representativo do sentimento dos investidores em relação aos mercados emergentes. “As bolsas emergentes sofrem, os europeus hesitam e os americanos batem recordes”, sublinhou a equipa de research do BPI, num relatório sobre as tendências do mês passado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumVenezuela exige dois mil milhões ao Fundo de Resolução

Petróleos da Venezuela e subsidárias portuguesas reclamam créditos em sede de liquidação do BES. Valores referem-se a aplicações e depósitos.

PremiumPDVSA pede registo de aplicações ao Novo Banco

Serão requeridos ao tribunal todos os registos de aplicações que transitaram para o banco herdeiro do BES. Crédito a reclamar deverá ser superior.

PremiumO fantasma da OPA não assustou o plano de Mexia

EDP quer investir 5 mil milhões na América do Norte apesar do risco do chumbo do CFIUS. Plano não é incompatível com a OPA, diz CEO.
Comentários