OCDE estima crescimento para a zona euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019

A OCDE estima um crescimento para a zona euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019 (o que traduz uma revisão em baixa de 0,2 p.p. para ambos os anos relativamente ao Outlook de maio de 2018).

Segundo o Interim Economic outlook divulgado hoje, a OCDE estima um crescimento para a Zona Euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019 (revisão em baixa de 0,2 p.p. para ambos os anos relativamente ao Outlook de maio de 2018).

Relativamente à Zona Euro, a OCDE recomenda mais reformas fiscais e bancárias para fortalecer a resiliência da região. Já para a Alemanha, a OCDE prevê um crescimento do PIB “que deve permanecer sólido, com a flexibilização fiscal e um consumo mais forte que deverão compensar o impacto de uma procura externa mais fraca”.

Para França, a OCDE prevê igualmente um crescimento sólido do PIB com as recentes reformas fiscais e do mercado de trabalho a melhorar as perspectivas de emprego e o apoio ao investimento. A OCDE considera que é provável que haja um crescimento mais fraco em Itália, com a incerteza da política económica, taxas de juros mais altas e criação de empregos mais lenta a conter o consumo das famílias.

Por outro lado perspetiva um crescimento económico global e 3,7% para 2018 e para 2019 (ou seja, previsões revistas em baixa em 0,1 e 0,2 p.p., respetivamente, relativamente ao Economic Outlook de maio de 2018).

A OCDE prevê que a expansão económica já tenha atingido o seu pico e considera ainda que o crescimento tornou-se menos amplo, com perspectivas divergentes nas principais economias, especialmente entre as economias de mercado emergentes.

No seu outlook refere que as políticas e o crescimento do emprego continuam a sustentar a procura interna.

Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, “os salários e a inflação ainda são surpreendentemente baixos, mas devem continuar a aumentar gradualmente”. A Organização alerta, ainda, para que o facto de o crescimento do comércio mundial ter desacelerado no primeiro semestre de 2018, com as tensões comerciais a provocar efeitos adversos sobre a confiança e os planos de investimento e que restrições comerciais adicionais irão prejudicar o emprego e o nível de vida, particularmente para as famílias de baixos rendimentos.

Ler mais
Recomendadas

Reprogramação do Portugal 2020 vai alavancar investimento de 7,3 mil milhões de euros

Desde 7 de dezembro, quando a Comissão Europeia aprovou a reprogramação do Portugal 2020, já foram aprovados concursos de 460 milhões de euros , que vão induzir um investimento de 1,2 mil milhões de euros.

PJ detém cinco empresários por fraude com fundos do ‘Portugal 2020’

Cerca de uma centena de inspetores da PJ fizeram hoje buscas a uma dezena de empresas do Norte do país, por suspeitas dos crimes de fraude na obtenção de subsídios comunitários, fraude fiscal qualificada e branqueamento. Vantagem desta associação criminosa ascende a quase 3 milhões de euros.

Primeiro-ministro de Cabo Verde repudia especulação sobre remodelação governamental

Em entrevista ao Jornal Económico Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde, falou das prioridades do seu governo.
Comentários