OCDE estima crescimento para a zona euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019

A OCDE estima um crescimento para a zona euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019 (o que traduz uma revisão em baixa de 0,2 p.p. para ambos os anos relativamente ao Outlook de maio de 2018).

Segundo o Interim Economic outlook divulgado hoje, a OCDE estima um crescimento para a Zona Euro de 2,0% em 2018 e 1,9% em 2019 (revisão em baixa de 0,2 p.p. para ambos os anos relativamente ao Outlook de maio de 2018).

Relativamente à Zona Euro, a OCDE recomenda mais reformas fiscais e bancárias para fortalecer a resiliência da região. Já para a Alemanha, a OCDE prevê um crescimento do PIB “que deve permanecer sólido, com a flexibilização fiscal e um consumo mais forte que deverão compensar o impacto de uma procura externa mais fraca”.

Para França, a OCDE prevê igualmente um crescimento sólido do PIB com as recentes reformas fiscais e do mercado de trabalho a melhorar as perspectivas de emprego e o apoio ao investimento. A OCDE considera que é provável que haja um crescimento mais fraco em Itália, com a incerteza da política económica, taxas de juros mais altas e criação de empregos mais lenta a conter o consumo das famílias.

Por outro lado perspetiva um crescimento económico global e 3,7% para 2018 e para 2019 (ou seja, previsões revistas em baixa em 0,1 e 0,2 p.p., respetivamente, relativamente ao Economic Outlook de maio de 2018).

A OCDE prevê que a expansão económica já tenha atingido o seu pico e considera ainda que o crescimento tornou-se menos amplo, com perspectivas divergentes nas principais economias, especialmente entre as economias de mercado emergentes.

No seu outlook refere que as políticas e o crescimento do emprego continuam a sustentar a procura interna.

Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, “os salários e a inflação ainda são surpreendentemente baixos, mas devem continuar a aumentar gradualmente”. A Organização alerta, ainda, para que o facto de o crescimento do comércio mundial ter desacelerado no primeiro semestre de 2018, com as tensões comerciais a provocar efeitos adversos sobre a confiança e os planos de investimento e que restrições comerciais adicionais irão prejudicar o emprego e o nível de vida, particularmente para as famílias de baixos rendimentos.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Costa: “Se alguém tem provas que me ponham em causa tem toda a possibilidade de me exonerar”

Governador do Banco de Portugal diz que nada fez de errado quando era administrador do banco público.

Salário mínimo deve ser igual para todos, defende Rui Rio

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou o líder do PSD.
Comentários