OCDE revê em alta crescimento da economia global para 3,9% em 2018 e 2019

Na atualização intercalar das previsões económicas (‘Economic Outlook’) divulgada esta terça-feira, a OCDE diz que este é o resultado “mais forte” desde 2011 e destaca as “surpresas de crescimento” previstas para este ano na zona euro (que deverá crescer 2,3%), na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%).

Cristina Bernardo
Ler mais

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) está mais otimista e estima que a economia global cresça 3,9% em 2018 e 2019, o ritmo mais elevado desde 2011, devido a mais investimento, comércio internacional e emprego.

Na atualização intercalar das previsões económicas (‘Economic Outlook’) divulgada esta terça-feira, a OCDE diz que este é o resultado “mais forte” desde 2011 e destaca as “surpresas de crescimento” previstas para este ano na zona euro (que deverá crescer 2,3%), na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%).

“A economia mundial vai continuar a fortalecer-se nos próximos dois anos, com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global a alcançar quase 4% em 2018 e 2019”, afirma a OCDE, que diz que um investimento mais forte, uma recuperação no comércio global e mais emprego estão a tornar a “recuperação cada vez mais ampla”.

A OCDE defende ainda que salvaguardar as regras que sustentam o sistema de comércio internacional “vai ajudar a suportar o crescimento económico e de empregos”, afirmando que os governos devem evitar o agravamento e depender de “soluções globais” na indústria de aço.

Na quinta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que iria impor, dentro de dias, taxas de 10% e 25% sobre a importação de alumínio e de aço, respetivamente.

A OCDE mostra-se assim mais otimista do que estava em novembro, esperando agora que a economia global cresça mais 0,2 pontos percentuais em 2018 e 0,3 pontos percentuais em 2019, face às projeções de 3,7% e de 3,6% que apresentava, na altura, para cada um dos anos.

“Projeta-se que o crescimento nos Estados Unidos, na Alemanha, em França, no México e na África do Sul seja significativamente mais robusto que o antecipado anteriormente, com outras revisões em alta, mais baixas, na maioria dos outros países do G20”, lê-se no documento da OCDE.

Para a instituição liderada por Ángel Gurría, as novas reduções de impostos e aumento de despesa nos Estados Unidos e estímulos fiscais adicionais na Alemanha são “fatores chave” que justificam a revisão em alta no crescimento em 2018 e 2019.

Ainda assim, a organização sediada em Paris alerta para os níveis ainda elevados de dívida em vários países, que podem criar vulnerabilidades, e observa que as perspetivas de crescimento ainda permanecem “muito fracas” em relação ao estimado antes da crise financeira, o que reflete tendências demográficas “menos favoráveis” e uma década de investimento e produtividade abaixo da média.

A OCDE defende também que é necessária uma “normalização gradual” da política monetária, para “minimizar o risco de disrupções nos mercados financeiros”, e aconselha os governos a evitarem políticas orçamentais “demasiado pró-cíclicas” e a focarem-se em medidas que “fortaleçam as perspetivas de sustentabilidades e de um crescimento de médio prazo mais inclusivo”.

Relacionadas

Taxas de juros nos EUA e riscos políticos na Europa podem inverter descida das insolvências

A Grécia e Portugal lideram a diminuição das insolvências nos mercados em análise, e após uma redução de 16% em 2017, a Crédito y Caución prevê uma nova queda de 11% em 2018 para Portugal, o que reduzirá o número de insolvências para 210% dos níveis anteriores à crise.

Crescimento do fosso entre ricos e pobres marca eleições em Itália

O fosso entre ricos e pobres tem vindo a aumentar nos últimos anos e o fenómeno pode ter um efeito decisivo nas eleições deste domingo, dia 4 de março.

O que fez acelerar a economia para 2,7%? Investimento e exportações

O aumento da confiança do agentes económicos e condições de financiamento mais favoráveis levaram a um disparo no investimento, que terá sido o maior impulsionador de um crescimento do PIB que não se via há 17 anos. As exportações foram relegadas para segundo plano, mas mantêm uma posição de destaque.

Desde 1970 que os EUA não produziam tanto petróleo

A expetativa da Agência Internacional de Energia é que os Estados Unidos quebrem o recorde de produção em 2018, superando a Arábia Saudita como segundo maior produtor mundial e aproximando-se do primeiro, a Rússia.

Analistas dizem que economia portuguesa “acomoda facilmente” subida do petróleo em 2018

Depois de em janeiro o preço do barril de petróleo Brent, para entrega em março, ter ultrapassado os 70 dólares no fecho das transações pela primeira vez desde dezembro de 2014, a Lusa contactou analistas para compreender que impacto é que esta subida significativa pode ter na economia portuguesa.
Recomendadas

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.
Comentários