OE 2017. Catarina Martins anuncia voto favorável na generalidade

A coordenadora do BE assumiu hoje votar favoravelmente na generalidade da proposta do executivo para 2017 e destacou as vantagens conseguidas na discussão do documento.

Catarina Martins comunicou hoje o voto favorável na generalidade do Orçamento do Estado para 2017, no encerramento de uma conferência nacional do Bloco de Esquerda que decorreu na Faculdade de Ciências de Lisboa.

“O BE cumpre os seus compromissos e este OE, objetivamente, aumenta rendimentos do trabalho, cumpre o compromisso de não precarizar e privatizar mais, de não aumentar os bens essenciais. No deve e no haver, em 2017, quem vive do trabalho será mais respeitado e, por isso, o BE vai votar a favor na generalidade”, assumiu a dirigente bloquista.

Catarina Martins enumerou as vantagens sucedidas na discussão do OE2017, entre as quais o aumento das pensões e das prestações socias, como o abono de família e o final da sobretaxa de IRS, com uma reposição de rendimentos de 953 milhões de euros contra um aumento de impostos de 262 milhões de euros.

A proposta de lei do executivo será discutida e levada a votação nas sessões plenárias de 3 e 4 de novembro. A votação final global está agendada para 29 de novembro.

Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

Irão anuncia captura de petroleiro britânico

Esta situação acontece no mesmo dia em Gibraltar estendeu por trinta dias o período de retenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há quase duas semanas neste território por suspeitas transporte de crude para a Síria.

Azeredo Lopes sabia desde o início do “encobrimento”, diz despacho do MP sobre Tancos

Segundo o despacho do MP, os procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) sustentam que, em agosto de 2017, dois meses antes do “achamento”, Azeredo Lopes teve uma reunião no Ministério da Defesa com o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, na qual foi informado – e deu o aval – do plano para a recuperação do material.
Comentários