OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

A carga fiscal aumentou em 2017 face ao ano anterior e atingiu 34,4% do Produto Interno Bruto (PIB), um dos valores mais altos desde pelo menos 1995, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

O total de receitas de impostos e contribuições sociais ascendeu a 67 mil milhões de euros em 2017, contra 63,6 mil milhões em 2016.

Em maio, o INE tinha estimado uma carga fiscal de 34,7% em 2017 e de 34,3% em 2016, revendo agora em baixa estes valores no âmbito da segunda notificação a Bruxelas do Procedimento por Défices Excessivos.

No mesmo documento, o instituto avança que o crescimento da economia referente aos anos de 2016 e 2017 foi de 1,9% e 2,8%, respetivamente, acima do previsto.

O conceito de carga fiscal define-se pelos impostos e contribuições sociais efetivas (excluindo-se as contribuições sociais imputadas) cobrados pelas administrações públicas nacionais e pelas instituições da União Europeia.

Ler mais
Recomendadas

Governo aprova linha de crédito para empresas afetadas pela tempestade Leslie

Regime excecional de contratação de empreitadas públicas aprovado em Conselho de Ministros prevê a possibilidade de contratação por ajuste direto, após consulta a três entidades, de empreitadas até cinco milhões de euros.

Conselho Europeu de Inovação premeia sete entidades em Portugal

Nesta primeira ronda de financiamento, o FET Open recebeu 375 propostas e atribuiu financiamento a 236 beneficiários de 23 países europeus.

PróToiro critica OE2019 de “censura cultural” perante fim da isenção de IVA para artistas taurinos

A Federação Portuguesa de Tauromaquia repudia ”veemente” as propostas “ilegais e discriminatórias” presentes na proposta orçamental para o próximo ano. A entidade critica, por exemplo, que o IVA das touradas se mantenha nos 13% quando o de outras atividades culturais baixa para 6%.
Comentários