OE2018: Imposto sobre cerveja, licores e bebidas espirituosas sobe cerca de 1,5%

Este ano, o aumento foi de 3% e o governo previa arrecadar 187 milhões de euros com este imposto.

Ler mais

O imposto sobre a cerveja, as bebidas espirituosas e os vinhos licorosos vai voltar a subir em 2018, mas em torno de 1,5%, quando este ano o aumento foi de 3%, segundo uma proposta preliminar do OE2018.

De acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), e datada de 10 de outubro, a que a agência Lusa teve hoje acesso, as cervejas vão passar a pagar um imposto que começa nos 8,34 euros por hectolitro para os volumes de álcool mais baixos e que vai até aos 29,30 euros por hectolitro no caso dos volumes de álcool mais elevados.

Com a entrada em vigor do Orçamento do Estado de 2017, o imposto aplicado às cervejas começava nos 8,22 euros e ia até aos 28,90 euros por hectolitro, o que significa que, no próximo ano, o Governo quer aumentar imposto sobre a cerveja em cerca de 1,5%.

No caso das bebidas espirituosas, nas quais se inclui gin e vodka, por exemplo, a taxa de imposto aplicável também vai sofrer um aumento, mas de 1,4%, passando dos 1.367,78 euros por hectolitro atualmente em vigor para os 1.386,93 euros por hectolitro em 2018.

Também a taxa de imposto aplicável aos produtos intermédios, ou seja, os vinhos licorosos, aumenta de 75,05 euros por hectolitro para 76,1 euros, uma subida de 1,4%.

Por sua vez, as bebidas fermentadas, como os espumantes, vão pagar um imposto de 10,44 euros por hectolitro, um aumento de 1,4% face aos 10,30 euros por hectolitro durante 2017.

Não estão previstas alterações no imposto que incide sobre o teor alcoólico do vinho, de acordo com a proposta a que a Lusa teve acesso.

Já no OE2017, o Governo decidiu aumentar em 3% o imposto aplicado à cerveja, às bebidas espirituosas e aos vinhos licorosos, prevendo arrecadar 187 milhões de euros com este imposto este ano.

Recomendadas
Irlanda cobra impostos à Apple que estão sob disputa jurídica
Embora tenha recorrido da decisão da União Europeia quanto à obrigação de cobrar esses impostos, o Governo da Irlanda já cobrou 13,1 mil milhões euros à Apple, mais 1,2 mil milhões em juros.
O que querem os empresários no OE2019? Revisão do IRS e IRC mas também estabilidade fiscal
Survey da consultora EY identifica estabilidade e simplificação do sistema fiscal como das principais preocupações das empresas. Alterações no regime do IRC e IRS são também identificadas como medidas que esperam ver no Orçamento do Estado.
Esta é a nova garrafa ecológica que ‘promete’ um consumo mais sustentável de água
Foi anunciado hoje o lançamento da nova garrafa ecológica e o seu serviço de reabastecimento self service.
Comentários