OE2019: Banco de Portugal obrigado a comunicar transferências para “offshores”

Com a alteração à Lei Geral Tributária, os bancos ficaram obrigados, a partir deste ano, a enviar essa informação até ao final de março, três meses mais cedo do que faziam até aqui.

A partir do próximo ano, o Banco de Portugal vai ter de partilhar informação sobre as transferências para “offshores” com o Fisco, depois de a instituição liderada por Carlos Costa ter recusado fazê-lo, invocando deveres de segredo.

Entre os dados que o banco central terá de divulgar ao Fisco, até ao final de Março de cada ano, está a “informação estatística detalhada por entidade que presta serviços de pagamento, tipologia de sujeito passivo ordenante e total por destino e motivo das operações, relativa às transferências e envio de fundos que tenham como destinatário entidade localizada em país, território ou região com regime de tributação privilegiada mais favorável”.

Recorde-se que os bancos já estão obrigados a submeter anualmente, até ao final de Março, no Portal das Finanças, a declaração de modelo oficial (modelo 38), aprovada por portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças, relativa às transferências e envio de fundos que tenham como destinatário entidade localizada em país, território ou região com regime de tributação privilegiada mais favorável.

De acordo com a Lei Geral Tributária (LGT), é obrigatório reportar apenas operações com valores superiores a 12.500 euros. Já ao Banco de Portugal, os bancos têm de comunicar ao regulador do setor qualquer transação para um paraíso fiscal que supere os 15 mil euros.

Com a alteração à LGT, os bancos ficaram obrigados, a partir deste ano, a enviar essa informação até ao final de março, três meses mais cedo do que faziam até aqui.

A obrigação de publicar anualmente estas estatísticas, que surgiu com a entrada em vigor da nova lei a AT, inclui discriminar os territórios para onde os fundos foram enviados, o motivo da transferência e a tipologia do sujeito passivo ordenante.

Após a ‘fuga’ dos cerca de 10 mil milhões de euros para ‘offshore’ sem tratamento do fisco – um caso que está a ser investigado pelo Ministério Público –, a Autoridade Tributária divulgou que, em 2016, saíram cerca de 8,6 mil milhões de euros para paraísos fiscais.

Ler mais
Recomendadas

Onde são gastos os seus impostos? Fisco vai mostrar a partir de abril

“É essencial os cidadãos conhecerem o destino dos seus impostos, para que compreendam também a sua função para a nossa comunidade”, referiu Mário Centeno no encerramento da conferência “Cidadania fiscal 2.0”, que decorreu hoje no Ministério das Finanças.

António Costa destaca que Portugal continua a atrair investimento estrangeiro apesar da incerteza mundial

António Costa destacou os resultados do último concurso dos incentivos ao investimento, que encerrou há cerca de uma semana, e que teve “mais de 2.800 milhões de euros de investimento candidatado por mais de uma centena de entidades”.

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.
Comentários