OE2019: Bloco anuncia voto a favor na generalidade

O Bloco de Esquerda, um dos parceiros do PS no Parlamento, oficializou o seu sentido de voto em relação ao Orçamento para 2019.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, anunciou este sábado que o partido vai votar a favor, na generalidade, a proposta de Orçamento do Estado para 2019, afirmando que o documento contém avanços, mas também “enormes limitações”.

“O Bloco de Esquerda votará favoravelmente o OE2019 na generalidade, mas bater-se-á por novos avanços na especialidade”, anunciou Catarina Martins, em conferência de imprensa no final da reunião da Mesa Nacional do BE, órgão máximo do partido entre convenções.

O parceiro do governo no Parlamento – juntamente com o PCP – oficializou assim o sentido de voto em relação ao Orçamento de Estado para 2019.

Mas o debate das propostas na especialidade não ainda ser palco de vários confrontos, tanto entre os partidos que suportam o governo, quer com a oposição. De qualquer modo, as alterações que o debate da especialidade costumam promover são sempre de pormenores – dado que o PS não parece estar disponível para aceitar qualquer alteração que resulte no aumento da despesa ou na diminuição da receita.

Relacionadas

Bruxelas quer esclarecimentos de Centeno sobre limite de despesa no OE2019

Comissão Europeia remeteu carta ao Governo português a solicitar esclarecimentos.
Recomendadas

DBRS: Brexit pode vir a ser novamente adiado ou até mesmo cancelado

A agência de notação financeira canadiana prevê que a economia de terras de Sua Majestade continue a crescer, mas a um ritmo mais lento.

CFP vai ao parlamento falar sobre Programa de Estabilidade 2019-2023

Nazaré Costa Cabral vai esta terça-feira à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa falar sobre o Programa de Estabilidade 2019-2023, que o Governo apresentou em 15 de abril.

Insegurança e crise na Venezuela afastam portugueses da região de Clarines

“A insegurança é a nossa principal preocupação. Mas como tudo no país, a crise tem-nos afetado”, em particular a falta de bens essenciais. “Os meus pais estão fora do país, devido à falta de medicamentos”, explicou um comerciante à Lusa.
Comentários