OE2019 de Cabo Verde estimado em 644 milhões de euros

As grandes linhas do documento foram aprovadas na reunião do Conselho e Ministros desta quarta-feira.

O vice-primeiro-ministro e o ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, entregam no Parlamento a proposta de Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano esta sexta-feira, 19 de outubro. Um orçamento estimado em 644 milhões de euros, com um aumento de 90 milhões de euros comparativamente ao OE de 2018.

As grandes linhas do documento foram aprovadas na reunião do Conselho e Ministros desta quarta-feira.

As grandes metas da proposta do Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2019, segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, porta voz do Conselho de Ministro, são o crescimento económico acima de 4,5% e o aumento dos postos de trabalho.

“Esta proposta de OE para 2019 aposta essencialmente no crescimento económico e no emprego”, realçou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, que ainda acrescenta que estão previstos no quadro deste orçamento grandes investimentos nos sectores como a saúde, a educação e a segurança.

Luís Filipe Tavares entende ainda que este orçamento está voltado para a criação de novos empregos no país e para a estabilidade macroeconómica de Cabo Verde, indo ao encontro das grandes preocupações do governo nesta legislatura.

Recomendadas

Justiça cabo-verdiana arquiva denúncia-crime do maior partido da oposição

A Procuradoria-Geral da República anunciou esta quinta-feira o arquivamento da denúncia-crime apresentada pelo maior partido da oposição (PAICV) contra a Câmara Municipal da Praia, que alegava “indícios de gestão danosa e irregularidades” na construção de um mercado.

Banco de Cabo Verde revê em alta crescimento económico para 2019

O novo relatório de política monetária do banco central cabo-verdiano aponta para um crescimento do PIB do país africano na ordem dos 5%.

Presidente de Cabo Verde veta lei sobre regime de execução da política criminal

Jorge Carlos Fonseca devolveu o diploma à Assembleia Nacional pela “inconstitucionalidade” de um dos artigos.
Comentários