OE2019: Governo confirma que acesso à reforma antecipada com duplo corte mantém-se

Vieira da Silva lembra que a partir de janeiro há um novo regime de antecipação de reforma na Segurança Social que anula os cortes para pensionistas que aos 60 anos de idade tenham pelo menos 40 de contribuições.

Cristina Bernardo

O Ministério da Segurança Social confirma que o acesso à reforma antecipada com dupla penalização irá manter-se em 2019, coexistindo com as novas regras de alívio de cortes para quem aos 60 anos tem 40 de descontos.

“Quem queira pedir a antecipação da reforma, mas não cumpra os requisitos do novo regime mantém a possibilidade de acesso ao regime em vigor em 2018”, lê-se na nota explicativa enviada aos deputados no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019).

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, é ouvido na segunda-feira à tarde em audição conjunta pela Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e pela Comissão de Trabalho e Segurança Social.

No documento enviado aos deputados, o gabinete de Vieira da Silva lembra que a partir de janeiro há um novo regime de antecipação de reforma na Segurança Social que anula os cortes para pensionistas que aos 60 anos de idade tenham pelo menos 40 de contribuições.

Este modelo entrará em vigor em duas fases: a partir de janeiro para os pensionistas com 63 ou mais anos de idade, sendo alargado em outubro para quem tem 60 anos ou mais.

O Ministério refere, no entanto, que mantém-se o regime atual que permite pedir a reforma a partir dos 60 anos desde que tenha 40 anos ou mais de descontos para a Segurança Social, mas com duplo corte: o fator de sustentabilidade acrescido de 0,5% por cada mês (6% ao ano) de antecipação face à idade legal de reforma que no próximo ano será de 66 anos e cinco meses.

Na prática, quem tiver, por exemplo, 61 ou 62 anos de idade e, pelo menos, 40 de contribuições poderá reformar-se em 2019, mas com os dois cortes.

Tanto o Bloco de Esquerda como o PCP já tinham alertado para a necessidade de o Governo clarificar no OE2019 esta matéria e o ministro já tinha admitido no parlamento que o atual regime manter-se-ia.

Na nota, Vieira da Silva destaca ainda a atualização das pensões no próximo ano através da fórmula prevista na lei que tem em conta a inflação e o crescimento económico e o aumento extraordinário. Estas medidas, juntamente com o novo regime de reformas antecipadas têm um impacto total estimado de 422,8 milhões de euros em 2019.

Através da lei “terão atualização de pensões em janeiro de 2019 cerca de 2,8 milhões de pensionistas da Segurança Social e da CGA, sendo atualizadas 3,6 milhões de pensões”, reitera o ministério.

Já o aumento extraordinário, que também será pago em janeiro (e não em agosto como aconteceu nos anos anteriores) chegará a 1,6 milhões de pensionistas.

Em janeiro de 2019 haverá ainda um complemento extraordinário para as novas pensões de mínimos iguais ou inferiores a 1,5 Indexante de Apoios Sociais, para “adequar os valores destas pensões às atualizações extraordinárias ocorridas em 2017 e 2018”. Serão também ajustadas através do complemento as pensões mínimas que se iniciaram entre 2017 e 2018.

Ler mais
Relacionadas

Vieira da Silva afirma que “este não é um orçamento de clientelas”

No encerramento do debate na generalidade sobre a proposta de OE2019, o ministro Vieira da Silva defendeu que “este não é um orçamento de clientelas”, mas antes um “orçamento construído para a maioria dos trabalhadores que hoje têm mais emprego e menos desemprego” e para os mais frágeis.

Jerónimo de Sousa reclama louros sobre aumento das pensões

Secretário-geral do PCP garantiu no debate de votação na generalidade do OE2019 que o partido intervirá “na especialidade para que se ultrapasse o limite de algumas propostas”.

Reformas antecipadas: regras atuais vão coexistir com novo regime, assegura Vieira da Silva

“O que está em causa no Orçamento é a criação de um regime de flexibilização da idade da reforma para as pessoas que têm determinadas condições e que tem como contrapartida uma menor penalização”, afirmou Vieira da Silva.
Recomendadas

13ª edição do ‘Portugal Exportador’ decorre hoje em Lisboa

A edição 2018 do evento, que vai decorrer durante dez horas, vai centrar-se em “4 Países e 4 ‘Clusters’: Angola, Espanha, Estados Unidos da América e China.

Retalho e imobiliário abrandam na China

O retalho na China registou uma subida homóloga de 8,6%, em outubro, o ritmo mais lento desde maio, enquanto o mercado imobiliário voltou a abrandar, apesar da subida na produção industrial e no investimento em ativos fixos.

Nações do Sudeste Asiático e Coreia do Sul querem aumentar comércio bilateral em 177 mil milhões de euros

No primeiro dia de reuniões entre os primeiros-ministros e presidentes dos países da ASEAN, com representantes de países parceiros como Estados Unidos, China, Rússia, Japão e Coreia do Sul, o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsieng Loong, defendeu a intensificação da cooperação e colaboração tecnológica entre os Estados-membros daquela organização e Seul.
Comentários