OE2019: Governo vai cobrar mais 640 milhões de euros em impostos

O Governo estima arrecadar 45.635 milhões de euros com impostos em 2019, mais 640 milhões do que estima para 2018, devido a aumentos de receita nos impostos indirectos que garantirão mais 377 milhões de euros aos cofres estatais. A receita prevista com IRS e IRC tem um menor crescimento. E o IVA vai assegurar mais 723 milhões de euros de receita.

Cristina Bernardo

De acordo com o relatório que acompanha a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), entregue nesta segunda-feira no Parlamento, o Executivo prevê arrecadar 45.636 milhões de euros no próximo ano, um aumento de 640 milhões de euros (mais 1,4% do que a estimativa de receita fiscal de 2018, de 44.995 milhões de euros que foi agora revista em alta, prevendo o Governo que fique 1.200 milhões de euros (2,8%) acima do que estava no Orçamento do Estado aprovado.

Segundo o Governo, “o bom desempenho da economia em 2018” permitiu que a estimativa de receita fiscal fosse revista em alta face ao constante no Orçamento do Estado para 2018. “De facto, prevê-se que a receita em 2018 fique cerca de 1200 milhões de euros (mais 2,8%) acima do que constava no Orçamento do Estado aprovado”, avança no relatório, destacando que nesta revisão da estimativa o desempenho positivo do IRC e do IVA, o que resulta do crescimento da atividade económica.

Neste sentido, acrescenta o relatório, “prevê-se que, face à estimativa de receita para 2018, em 2019 se verifique um crescimento da receita fiscal em cerca de 1,4%, com especial destaque para a evolução da receita de IVA, ISP, IRS e IS”.

De facto, os impostos indiretos são responsáveis primários (80% da variação) pelo crescimento da receita fiscal, e em menor grau os impostos diretos.

O  aumento da receita fiscal é, assim, justificado essencialmente pelos impostos indiretos, cuja receita sobe 1,5%  em 2019, de uma previsão de 25.570 milhões de euros em 2018 para 25.947 milhões no próximo ano, ou seja, uma subida de cerca de 377 milhões de euros.

Por sua vez, estima-se que a receita com impostos diretos (na qual se incluem IRS e IRC) aumente 1,4% de 19.425 milhões de euros em 2018 para 19.689 milhões de euros em 2019, mais  264 milhões de euros entre os dois anos.

O Governo prevê que o valor de receita fiscal em sede de Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) totalize 12.905 milhões de euros, mais 115 milhões de euros  face à estimativa para 2018 (12.790 milhões).

O Executivo explica que este aumento de 0,9% da receita do IRS face à estimativa para 2018 ocorre “apesar da influência negativa na receita do final da sobretaxa e da reestruturação dos escalões”, resultando, diz, “da trajetória de crescimento do emprego e do salário médio verificada nos últimos anos em Portugal, bem como do objetivo de reposição de rendimentos preconizado nos últimos três orçamentos”.

Já no que diz respeito ao Imposto sobre o Rendimento das pessoas Coletivas (IRC), estima-se um aumento de receita de 61 milhões de euros para 6.336 milhões de euros,  “um crescimento ténue” da receita fiscal em 1% face à estimativa prevista que, segundo as Finanças, apesar do bom desempenho em 2018, “poder-se-á revelar conservadora dadas as perspetivas de evolução da economia nacional”.

IVA: campeão de receita

Nos impostos indiretos, destaque para o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), com o qual o Governo prevê receber 17.499 milhões de euros em 2019, mais 4,3% do que os 16.776 milhões de euros previstos para este ano. Ou seja, mais 723 milhões de euros.

Segundo as Finanças, “a melhoria do clima económico, e o aumento do consumo por parte de residentes e não-residentes, permitem perspetivar uma evolução da receita em linha com o que se tem verificado em 2018”

No próximo ano, o Governo estima ainda receber 1.347 milhões (menos cerca de 4% do que em 2018) com o Imposto sobre o Tabaco (IT), menos cerca de 4% do que a estimativa de 1.402 milhões de euros para 2018.

O ministério das Finanças avança aqui que relativamente aos Impostos Especiais de Consumo, “atualiza-se apenas em linha com a inflação o Imposto do Tabaco” e que dada a entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2020 nos primeiros meses daquele ano, e a realização de eleições no final de 2019, haverá um efeito de redução de introduções ao consumo nos últimos meses de 2019, o que justifica a estimativa de redução da receita com este imposto.

Já no Imposto do Selo, o Governo estima cobrar 1.684 milhões de euros, mais 6,8% (107 milhões de euros) face aos 1.577 milhões de euros estimados para este ano. Uma evolução que, segundo o ministério liderado por Mário Centeno,  está “assente na trajetória verificada em 2018 e nas políticas de desincentivo ao crédito ao consumo”.

Nas receitas dos impostos Único de Circulação (IUC), sobre Veículos (ISV) e sobre Bebidas Alcoólicas e Açucaradas (IABA) no próximo ano o Governo estima arrecadar 395 milhões de euros (mais 9,1%), 803 milhões de euros (mais 2,3%) e 296 milhões de euros (mais 2,4%), com estes impostos, respetivamente.

O Executivo destaca que à semelhança do que acontece com o ISV e IT as taxas de IUC são atualizadas em linha com a inflação, sendo também introduzido um fator de correção em 2019, decorrente do novo sistema de medição de CO2. “Não obstante, dado o expectável crescimento do parque automóvel nacional estima-se um impacto positivo na receita fiscal em sede de IUC em 33 milhões de euros (+9,1%)”, conclui.

Quanto ao ISV, as tabelas do Imposto sobre Veículos são igualmente atualizadas ao valor da inflação e é introduzido um fator de correção para 2019 decorrente do novo sistema de medição de CO2. Ainda assim, diz o Governo, “com o expectável crescimento do mercado, perspetiva-se um aumento da receita fiscal em 18 milhões de euros (mais 2,3%)”.

Tanto no ISP como no IABA as taxas gerais mantêm-se. Ainda assim, avança as Finanças, dada a evolução do consumo, estima-se que a receita de ISP tenha uma variação positiva de 211 milhões de euros para 3.643 milhões de euros, maioritariamente justificada pela evolução da taxa de carbono.

Notícia inicialmente publicada às 01h48

Ler mais
Relacionadas

Saiba o que tem de apontar no seu calendário fiscal até ao final do ano

Fique a par das datas marcadas no Calendário Fiscal 2018 para o pagamento de impostos à Autoridade Tributária e Aduaneira. Confira todos os impostos a pagar até ao final do ano para cidadãos e empresas. Não deixe escapar as datas limite dos impostos neste mês de dezembro.

CFP: Receita dos impostos indiretos ficou abaixo da meta do Governo

O crescimento da receita fiscal (3,1%) deveu-se, exclusivamente, aos impostos indiretos e situou-se ligeiramente acima do objetivo anual estabelecido pelas Finanças para o conjunto do ano. Ainda assim, o ministério antecipava um aumento maior das receitas com impostos indiretos.
Recomendadas

Cimeira ibérica de amanhã centrada nas relações fronteiriças

A cimeira ibérica de Valladolid marca estreia de Pedro Sánchez na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

Hoje há greve dos juízes. Magistrados judiciais reconhecem “custos sociais”

Qual o impacto da greve no funcionamento dos tribunais e na vida dos cidadãos? O presidente da ASJP reconheceu que a greve terá “custos sociais”, insistindo na ideia de que “infelizmente” os juízes não tinham outra alternativa.

OE com “número elevado” de cativações “acaba por ser uma mentira”, acusa Rui Rio

Líder social-democrata referiu ainda que a questão das cativações de despesa deve preocupar em particular bloquistas e comunistas.
Comentários