OE2019: PCP anuncia fim do fator de sustentabilidade nas reformas antecipadas

Comunistas informaram ter chegado a acordo com o Governo nesta matéria. Já o Bloco de Esquerda (BE) disse ao Jornal Económico que as negociações com o Governo sobre esta matéria ainda estão a decorrer.

Cristina Bernardo

O PCP anunciou o fim do fator de sustentabilidade nas longas carreiras contributivas para as reformas aos 63 anos e 43 de carreira no próximo ano, aliviando assim os cortes nas pensões antecipadas, conforme reivindicado pela esquerda.

Os comunistas informaram ter chegado a acordo com o Governo nesta matéria. Já o Bloco de Esquerda (BE) disse ao Jornal Económico que as negociações com o Governo sobre esta matéria ainda estão a decorrer.

Os parceiros da maioria parlamentar BE e PCP têm pressionado o Governo para avançar com a segunda fase da revisão do regime de reformas antecipadas, mas o executivo tem adiado.

A terceira fase da revisão prevê o fim do fator de sustentabilidade para futuros pensionistas com idade entre os 60 e os 62 anos que, aos 60 anos, tivessem pelo menos 40 anos de carreira contributiva.

Relacionadas

OE2019: Manuais escolares gratuitos até ao 12.º ano

Informação foi confirmada pelo PCP após reunião com o Governo.

Pensões: Aumento extraordinário de dez euros avança já em janeiro

PCP chegou a acordo com o Executivo e os pensionistas com pensões que se situem abaixo de 1,5 Indexantes de Apoios Sociais (IAS) irão receber uma atualização extraordinária entre seis e dez euros já no primeiro mês do ano.
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários