Oi prevê diminuir dívida para menos de um terço com processo de recuperação

A operadora brasileira Oi, em recuperação judicial, estimou hoje que a dívida da empresa diminua de 65 para 19 mil milhões de reais (de 15,3 para 4,5 mil milhões de euros) na sequência da conversão de passivo em capital.

Ler mais

Segundo se lê no comunicado enviado pela Pharol (principal acionista da Oi) à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), esta estimativa dos efeitos do plano de recuperação tem “como base uma perceção da média de avaliações independentes preparadas por analistas de mercado que acompanham a companhia”.

Ainda previsto é que, como resultado da implementação das medidas constantes do plano de recuperação, a Oi passará a valer “em torno de 15 mil milhões de reais” (3,5 mil milhões de euros), o que compara com a última avaliação de 2,6 mil milhões de reais (614 mil euros).

Estas estimativas foram avançadas numa notícia divulgada na sexta-feira pela agência Broadcast, com base em informações atribuídas ao presidente da Oi, Eurico Teles, e na sequência da qual a bolsa de valores do Brasil (B3 – Brasil, Bolsa, Balcão) solicitou esclarecimentos à operadora.

Nos esclarecimentos agora prestados ao mercado, a companhia explica que a referência a estes valores resultou da “média de avaliações independentes” dos analistas de mercado que seguem a empresa.

A Oi esclarece ainda que, numa nota explicativa das demonstrações financeiras da companhia relativas ao exercício de 2017, divulgadas ao mercado na quinta-feira, constava já “uma descrição detalhada das estimativas do valor dos créditos alocados por opção em 20 de junho de 2016 e do valor justo dos créditos reestruturados, cujos totais correspondem, respetivamente, a 67.751 milhões de reais (16 mil milhões de euros) e 18.949 milhões de reais (4,5 mil milhões de euros).

A Oi está num processo de recuperação desde 2016 com o objetivo de reduzir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros).

O Plano de Recuperação Judicial propõe-se a reduzir o passivo da empresa através da conversão de 72,12% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.

A Pharol é acionista de referência da Oi, com 27% das ações. A concretizar-se a operação, a Pharol deverá passar a deter uma participação menor.

Segundo noticia hoje a publicação brasileira Valor Económico, a Pharol, que detém 22,24% da Oi através da sua subsidiária Bratel, passará a deter 7,66% após a conversão da dívida.

Recomendadas

Avanços da Mercadona em Portugal não surpreendem

O anúncio de expansão da Mercadona em território nacional veio “agitar as águas”, abrindo a porta à reflexão sobre esta presença, mas também sobre o peso que assumem hoje as insígnias espanholas na distribuição portuguesa.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários