ONU diz ao governo italiano que decreto viola direitos dos migrantes

Os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.

Investigadores dos direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) advertiram Itália que o decreto proposto para formalizar o fecho dos portos italianos para ajudar grupos que resgatam migrantes do mar viola a legislação internacional.

Numa carta enviada ao governo italiano, citada pela agência Associated Press, os investigadores afirmam que o decreto parece ser mais uma tentativa política para criminalizar as operações de busca e salvamento” que “intensifica ainda mais o clima de hostilidade e xenofobia contra os migrantes”.

O ministro do Interior italiano e líder da extrema-direita no país, Matteo Salvini, propôs o decreto antes das eleições para o Parlamento Europeu, em 26 de maio, em que os partidos nacionalistas e anti-migrantes esperam conseguir fortes ganhos.

A carta do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos afirma que as medidas violariam os direitos humanos dos migrantes que estão consagrados nas convenções das Nações Unidas.

A missiva indica também que Itália é obrigada a resgatar migrantes em perigo e não pode impedir que outros o façam.

Recomendadas

Sánchez culpa Podemos e Cidadãos por cenário de novas eleições em Espanha

O líder socialista espanhol, Pedro Sánchez, culpou hoje o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, e o líder do Cidadãos, Alberto Rivera, pela falha de uma solução de Governo, que levará a novas eleições gerais em novembro.

Eurodeputados defendem ações concretas contra desflorestação da Amazónia

Eurodeputados portugueses do BE, PAN, PS, PSD, PCP e CDS-PP defenderam hoje que a União Europeia (UE) deve adotar “ações concretas” para instar as autoridades brasileiras a combater a desflorestação da Amazónia, recentemente devastada por grandes incêndios.

Responsável da ONU diz que indústrias de milhões vão mudar com Cimeira de Ação Climática

A secretária-geral adjunta das Nações Unidas (ONU), Amina Mohammed, estimou hoje que indústrias mundiais de milhares de milhões de dólares mudem com os novos estilos de vida que vão ser encontrados na Cimeira Climática da próxima semana.
Comentários