OPEP chega a acordo para reduzir produção em 1,2 milhões por dia

Apesar da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir o preço do petróleo, a OPEP irá diminuir a produção em 800 mil barris por dia, enquanto o conjunto de países conhecidos como OPEP+ concordou em cortar a produção em 400 mil barris de cortes.

A OPEP e os países aliados, liderados pela Rússia, chegaram a um acordo esta sexta-feira para reduzir a produção de petróleo em 1,2 milhões de barril por dia, a partir de janeiro do próximo ano.

Apesar da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir o preço do petróleo, a OPEP irá diminuir a produção em 800 mil barris por dia, enquanto o conjunto de países conhecidos como OPEP+ concordou em cortar a produção em 400 mil barris de cortes.

“A Conferência decidiu ajustar a produção global da OPEP em 0,8 mil barris/dia em relação aos níveis de outubro de 2018, com entrada em vigor a partir de janeiro de 2019, por um período inicial de seis meses, com uma revisão em abril de 2019”, anunciou a OPEP, em comunicado divulgado após a conclusão da reunião de dois dias e cujo planeamento estratégico do próximo ano estava na agenda.

“Ao concordar com essa decisão, os Países Membros confirmaram o foco contínuo nos fundamentos para um mercado de petróleo estável e equilibrado, no interesse de produtores, consumidores, e saúde e sustentabilidade da indústria do petróleo. Os países membros continuam comprometidos em serem fornecedores confiáveis de petróleo e produtos para os mercados globais”, salientou.

Uma reunião de produtores da OPEP e não-OPEP aprovou rapidamente o acordo, segundo duas fontes da OPEP à Reuters. A agência noticia que o ministro russo da Energia, Alexander Novak, elogiou a capacidade do homólogo saudita Khalid al-Falih de “encontrar uma solução na situação mais difícil”, sinalizando que a Rússia concordava com a decisão.

“Nunca trataremos de questões geopolíticas na OPEP”, disse o ministro da energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail bin Mohammed al-Mazroui, em conferência de imprensa.

Há seis meses, a OPEP acordou aumentos de produção para evitar que os preços do barril de petróleo subissem acima dos cem dólares. No entanto após uma queda de cerca de 30% nos preços do ‘ouro negro’ nos últimos dois meses, os líderes regressaran à estratégia de redução de produção, enquanto o presidente norte-americano, Donald Trump, exortou a OPEP a continuar a produzir nos atuais níveis elevados para manter os preços baixos.

O mercado reagiu em alta ao anúncio, com o Brent a valorizar 4,93% para 63,02 dólares e o petróleo WTI a subir 4,08% para 53,59 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Preços do petróleo disparam 5% com possível acordo da OPEP

Irão terá chegado a acordo com a Arábia Saudita sobre corte de produção do crude, a partir de janeiro. Mercados reagem em alto.

Irão assegura que não está de saída da OPEP

Embargo dos Estados Unidos à produção de petróleo iraniano parece ser uma pressão para que o país deixe o agregado. Mas Teerão não está a contar seguir o caminho do Qatar.

Combustíveis: Preços não mexem na próxima semana

Os preços de referência da gasolina e do gasóleo vão ficar inalterados na próxima semana. Subida do petróleo põe travão a dois meses seguidos de descidas.
Recomendadas

Moody’s: “Política monetária permanecerá altamente acomodatícia”

Vice-presidente da agência de notação financeira Moody’s, Madhavi Bokil, defendeu que o “momento da normalização da taxa de juros dependerá das perspectivas de crescimento”.

BCP lidera perdas da bolsa. Maré negativa na Europa com fracos dados económicos

Maré negativa nas bolsas europeias com fracos dados económicos. Em Lisboa as ações que mais caíram foram, a par com as da Pharol (-2,32%), e com as da Semapa (-2,25%), as ações do BCP (-2,03% para 0,2408 euros). Os analistas destacam uma underperformance relativamente ao setor bancário na Europa.
Comentários