OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.

Esam Omran Al-Fetori/Reuters

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reduziu a produção de petróleo no mês agosto, já que a queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA acabou por arruinar as suas tentativas de elevar a produção para os níveis acordados, revela a agência “Reuters”, numa altura em que os produtores de energia continuam a manter conversações na Argélia.

Na sexta-feira, uma fonte próxima referiu à “Reuters” que os aliados da OPEP liderados pela Rússia estavam a considerar a possibilidade de aumentar a oferta de petróleo em mais 500 mil barris por dia, já que as sanções dos EUA ao terceiro maior produtor da OPEP, o Irão, atacam as exportações de Teerão.

“Se um aumento na produção for proposto, haverá uma abundância de contra-argumentação no mercado que reduzirá ainda mais a capacidade disponível”, afirmou Olivier Jakob, da consultora Petromatrix.

Uma comitiva de monitorização da OPEP e não-OPEP que está reunida na capital argelina (Argel) neste fim-de-semana descobriu que o cumprimento dos produtores de petróleo com um acordo de redução de oferta atingiu os 129% em agosto.

Recomendadas

Condutores em Angola contratam motoristas para fugir a multas por álcool

As inúmeras operações de combate à condução sob efeito de álcool, realizadas no último ano pela polícia angolana, abriu as portas a um novo negócio, que consiste em contratar um motorista para conduzir o carro apenas no perímetro controlado.

Inflação na China cresce 2,5% em setembro

A subida foi impulsionada pela evolução de 3,6% no preço médio dos alimentos, sobretudo vegetais (aumento de 14,6%) e das frutas frescas (aumento de 10,2%).

Brexit: acordo permanece impossível por causa da Irlanda

Tal como previam todos os analistas desde 2016, a questão das fronteiras entre as Irlandas é a mais difícil de ser ultrapassada. Theresa May falou esta noite com Emmanuel Macron na tentativa desesperada de encontrar apoios,
Comentários