OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reduziu a produção de petróleo no mês agosto, já que a queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA acabou por arruinar as suas tentativas de elevar a produção para os níveis acordados, revela a agência “Reuters”, numa altura em que os produtores de energia continuam a manter conversações na Argélia.

Na sexta-feira, uma fonte próxima referiu à “Reuters” que os aliados da OPEP liderados pela Rússia estavam a considerar a possibilidade de aumentar a oferta de petróleo em mais 500 mil barris por dia, já que as sanções dos EUA ao terceiro maior produtor da OPEP, o Irão, atacam as exportações de Teerão.

“Se um aumento na produção for proposto, haverá uma abundância de contra-argumentação no mercado que reduzirá ainda mais a capacidade disponível”, afirmou Olivier Jakob, da consultora Petromatrix.

Uma comitiva de monitorização da OPEP e não-OPEP que está reunida na capital argelina (Argel) neste fim-de-semana descobriu que o cumprimento dos produtores de petróleo com um acordo de redução de oferta atingiu os 129% em agosto.

Recomendadas

Coletes amarelos em França prometem mais um sábado de protestos

Protestos, iniciados a 17 de novembro de 2018, têm sido marcados por atos violentos de destruição de bens públicos e privados, sobretudo na capital francesa.

Brexit: Uma câmara na fronteira pode bastar para reacender conflito na Irlanda, diz embaixadora

A embaixadora critica por outro lado a rejeição por Londres da primeira proposta europeia de ‘backstop’, que previa a extensão do mercado único à Irlanda do Norte.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.
Comentários