Operação Marquês: falha informática apaga sorteio de juiz Carlos Alexandre

O Instituto de Gestão Financeira e dos Equipamentos da Justiça (IGFEJ) diz que a situação resultou de uma falha do sistema “sem ação/intervenção humana”.

Uma versão desatualizada da aplicação informática Citius ‘apagou’, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), a distribuição ao juiz Carlos Alexandre do inquérito Operação Marquês. O Instituto de Gestão Financeira e dos Equipamentos da Justiça (IGFEJ) diz que a situação resultou de uma falha do sistema “sem ação/intervenção humana”, avança o “Jornal de Notícias”.

O IGFEJ entende que não existem responsáveis pela falha do sistema. No entanto, falta apurar se ocorreu violação do princípio do “juiz natural”, quando o juiz Carlos Alexandre foi sorteado para titular do caso, a 9 de setembro de 2014. Por esse motivo, a alegação consta nos requerimentos de abertura de instrução de Armando Vara e do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Os arguidos defendem que a “atribuição” direta do caso ao juiz foi ilegal, sem que tivesse havido qualquer tipo de sorteio. Tendo em conta a situação, Armando Vara e José Sócrates pedem a declaração de nulidade dos atos praticados pelo juiz Carlos Alexandre, a partir de 9 de setembro de 2014.

Recomendadas

“Mantenho o que disse”. Ana Gomes não recua frente à acusação do Benfica

Tanto o clube da Luz como Luís Filipe Vieira vão processar Ana Gomes por calúnias, falsas declarações e difamação.

Benfica vai processar eurodeputada Ana Gomes

A eurodeputada afirmou que há um passado de delinquência ligado ao presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e que o clube pode ter interesse em que alguém como o colaborador do Football Leaks, que está em prisão preventiva, esteja sob controlo.

Rui Pinto vai ficar em prisão preventiva

O tribunal aplicou a medida de coação mais gravosa prevista na lei ao arguido, de 30 anos, que foi detido na Hungria e chegou a Portugal na quinta-feira, com base num mandado de detenção europeu emitido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).
Comentários