Ordem dos Economistas alerta para necessidade do país criar condições para investimento produtivo

O bastonário da Ordem dos Economistas defendeu que esse investimento tem de ser produtivo sem esquecer também o investimento na área financeira. Rui Leão Martinho mostrou ainda preocupação com a poupança das famílias que tem estado abaixo da média da Europa.

O bastonário da Ordem dos Economistas, Rui Leão Martinho, identificou o investimento como um dos pontos fracos da economia portuguesa e alertou para a necessidade do país criar condições para atrair investimento que seja produtivo e também na área financeira.

Rui Leão Martinho, durante a sua intervenção na XII Conferência Anual do Turismo, da Ordem dos Economistas da Madeira, que aborda o tema da rentabilidade, defendeu que o turismo é uma das áreas que pode ajudar a desenvolver o país e com isso dar o seu contributo na criação de riqueza.

“Só com criação de riqueza é que se consegue garantir o estado social”, reforçou o bastonário da Ordem dos Economistas.

A poupança é outra área que preocupada Rui Leão Martinho tendo em conta que Portugal tem “estado abaixo” daquela que tem sido a média da Europa.

Relacionadas

“O Governo Regional e a República têm que se entender no subsídio de mobilidade”, apela CEO do Porto Bay

O gestor hoteleiro lembrou ainda que a TAP não transporta só residentes para a Madeira. “30% dos passageiros são estrangeiros. A TAP tem o dobro dos passageiros relativamente ao segundo operador”, sublinhou António Trindade.

CEO Grupo Pestana: “As pousadas deram dimensão nacional ao grupo hoteleiro”

Apesar desta dimensão nacional, José Theotónio, CEO do Grupo Pestana, adiantou que é um conceito difícil de trabalhar tendo em conta que são unidades pequenas, mas que a “marca é fantástica e possui grande notoriedade no turismo nacional”.

“A qualidade dos produtos e serviços exportados tem de melhorar e se ajustar à procura”, defende economista chefe do Santander

Durante a Conferência Anual do Turismo, sob o tema da rentabilidade, ficou sublinhado por Rui Constantino que os ciclos de investimento “têm que ser mais rápidos e gerar retorno num horizonte mais curto”. Para isso é preciso que as empresas “consigam investir mais e gerar mais capital”, afirmou o economista chefe do Santander.

Os portos necessitam de estruturas flexíveis e adaptadas às novas realidades, diz CEO do Lisbon Cruise Terminal

Esta flexibilidade, defendeu Ricardo Ferreira, permite ter “uma cadeia de valor muito superior”. O CEO do Lisbon Cruise Terminal destacou que os serviços de apoios ao navio é outra área que possui margem de progressão.
Recomendadas

O que fazer quando um crédito “desaparece” da Central de Responsabilidades

No caso de o crédito “desaparecer” da CRC não significa que a dívida deixou de existir, sendo que o consumidor mantém a sua responsabilidade perante a obrigação. Esta situação poderá ocorrer aquando da cessão de crédito (venda da dívida a terceiros), a favor de uma entidade fora do sistema financeiro, pelo que esta passa a assumir a posição de credor.

PSD quer zona franca e registo de navios incluídos em estratégia atlântica

O deputado do PSD, Paulo Neves, afirmou que o Centro Internacional de Negócios (CINM) e o Registo de Navios (MAR) são de enorme importância para o país, e por isso deveriam ser prioritários para o Governo da República.

Cafôfo defende criação de rede para apoiar crianças que saem das instituições

Paulo Cafôfo considera necessário criar redes com equipas multidisciplinares, que façam a reabilitação da família e que deem o suporte que os jovens necessitam.
Comentários