“Tenho muito orgulho em ter participado” no imposto sobre o património

Mariana Mortágua diz que esta é uma das medidas mais importantes do Orçamento do Estado para 2017.

A deputada do Bloco de Esquerda falou, em entrevista ao Jornal de Notícias, sobre o imposto que ficou associado ao seu nome, considerando-o uma “medida que permite compensar a Segurança Social pelo esforço que vai aumentar as pensões em 200 milhões de euros”.

“Tenho muito orgulho em ter participado nesse trabalho. Este imposto é uma das medidas mais importantes deste Orçamento”, afirmou ao JN.

Segundo Mariana Mortágua, aquilo que é importante reter sobre a nova tributação imobiliária é o trabalho realizado entre os partidos que sustentam o Governo. Nas palavras da deputada bloquista, PS, PCP e BE tiveram “coragem para dar um passo tão explícito”.

Em declarações ao jornal, publicadas na edição desta terça-feira, Mariana Mortágua referiu ainda que o Orçamento do Estado para 2017 não é amigo do investimento público. “Não é possível ter um Orçamento com níveis satisfatórios de investimento público ao mesmo tempo que se cumprem as regras do défice e que se gasta oito mil milhões de euros a pagar só juros da dívida”, acrescenta.

Quanto ao ‘casamento’ do Bloco de Esquerda com o Partido Socialista, Mortágua garante que o PS não desilude os bloquistas, quando estes não têm “ilusões”. De acordo com o que explicou ao JN, o BE não sente necessidade de se “descolar” dos socialistas porque “o Bloco não está colado ao PS”.

“Quando vai negociar com o PS vai com os 10% que teve nas eleições, não vai com a maioria”, sublinha, em relação às negociações sobre medidas entre os dois partidos.

Recomendadas

Confederações patronais pedem reunião ao primeiro-ministro

“Os desafios que o país enfrenta num contexto tão exigente como o atual implicam uma convergência efetiva de esforços e a concertação com o sector privado da economia, primeiro responsável pela criação de emprego, pela geração de riqueza e pelo investimento”, argumentam CAP, CCP, CIP, CTP e CPCI.

Livro Verde: “O teletrabalho não pode, em nenhum caso, ser de recurso obrigatório”, defende CCP

No seu parecer à versão em consulta pública do Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho, que termina esta terça-feira, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal defende que o teletrabalho deve ser objeto de negociação coletiva e a sua regulação deve ser ponderada e não basear-se na realidade resultante da pandemia.

Mulheres entre a população ativa que está mais fora da força de trabalho na União Europeia

O Eurostat contabilizou os cidadãos que em 2020 não estavam empregados nem desempregados, mas que também não têm disponibilidade para procurar emprego por se encontrarem a estudar, a serem cuidadores informais ou por razões de doença ou de invalidez.
Comentários