Orquestra Clássica celebra centenário do armistício de Compiègne

O concerto realiza-se este sábado na Assembleia legislativa da Madeira. O armistício de Compiègne foi um tratado assinado entre os Aliados e Alemanha, que acabou por encerrar a primeira grande guerra mundial.

A Orquestra Clássica da Madeira junta-se este sábado às comemorações dos 100 anos do armistício de Compiègne, com um concerto que se vai realizar na Assembleia Legislativa da Madeira, a partir das 21h30.

Para este concerto o maestro e solista convidado é Martin Panteleev Eschkenazy. No reportório está prevista a interpretação de obras de Antonio Vivaldi, Piotr Ilitch Tchaikovsky, Samuel Barber, Pablo de Sarasate, Joseph Haydn.

De referir que o armistício de Compiègne foi um tratado assinado entre Aliados e a Alemanha, na Floresta de Compiègne, que acabou por encerrar a primeira grande guerra mundial.

A Orquestra Clássica volta aos concertos a 14 de novembro no Hotel Belmond Reid’s Palace, da Orquestra de Cordas – Ensemble XXI, que inclui um reportório com obras de Wolfgang Amadeus Mozart, Ellington, Scott Joplin.

Recomendadas

Alberto João Jardim: “O nosso adversário foi número dois de Sócrates e chama-se António Costa”

O presidente honorário do PSD/Madeira afirmou este sábado, no congresso regional do partido, que o primeiro-ministro, António Costa, é o “adversário” da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a “internacionalizar” a questão.

Miguel Albuquerque rejeita “imposição colonial” de Lisboa

O líder social-democrata considerou que a sociedade madeirense está bipolarizada politicamente entre os “autonomistas” do PSD/M e os “feitores do colonialismo lisboeta, os socialistas e os comunistas locais subordinados às ordens do poder central jacobino”.

Teatro Experimental do Funchal encena Lenda de Tristão e Isolda

O Teatro Experimental do Funchal tem em exibição a peça teatral ‘A Lenda de Tristão e Isolda’ até 26 de janeiro.
Comentários