Orquestra Clássica celebra centenário do armistício de Compiègne

O concerto realiza-se este sábado na Assembleia legislativa da Madeira. O armistício de Compiègne foi um tratado assinado entre os Aliados e Alemanha, que acabou por encerrar a primeira grande guerra mundial.

A Orquestra Clássica da Madeira junta-se este sábado às comemorações dos 100 anos do armistício de Compiègne, com um concerto que se vai realizar na Assembleia Legislativa da Madeira, a partir das 21h30.

Para este concerto o maestro e solista convidado é Martin Panteleev Eschkenazy. No reportório está prevista a interpretação de obras de Antonio Vivaldi, Piotr Ilitch Tchaikovsky, Samuel Barber, Pablo de Sarasate, Joseph Haydn.

De referir que o armistício de Compiègne foi um tratado assinado entre Aliados e a Alemanha, na Floresta de Compiègne, que acabou por encerrar a primeira grande guerra mundial.

A Orquestra Clássica volta aos concertos a 14 de novembro no Hotel Belmond Reid’s Palace, da Orquestra de Cordas – Ensemble XXI, que inclui um reportório com obras de Wolfgang Amadeus Mozart, Ellington, Scott Joplin.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Sara Cerdas nomeada para delegações Euro-Latino-Americana e África do Sul

Sara Cerdas afirma a necessidade de “construir pontes, criar relações consolidadas e intervir diretamente nos problemas que afetam diariamente os nossos emigrantes”, acrescentando que o Parlamento Europeu dispõe de mecanismos que podem ajudar a ultrapassar alguns desses problemas.

Madeira: CDU denuncia destruição do Vale do Porto Novo por utilização de pedreiras e britadeiras

Edgar Silva diz que a destruição ambiental na Região “é uma realidade que acontece porque conta com poderosos interesses económicos aos quais os governantes nas autarquias e no Governo Regional dão proteção”.

Albuquerque quer auscultar população para definir programa de Governo

Para o presidente do Governo Regional, a escolha nas eleições regionais, é entre aqueles que “salvaguardam o direito dos madeirenses a decidirem o seu presente e futuro” e “aqueles que estão subordinados aos interesses centralistas de Lisboa”.
Comentários