“Os pequenos empresários têm de ter uma voz na associação”

O foco da nova direção da ACIF vai continuar estar no Turismo, mas as novas tecnologias são uma aposta para o desenvolvimento da região.

A ACIF vai continuar a defender os dois principais pilares económicos da Região: a hotelaria e turismo e, por outro lado, o Centro Internacional de Negócios, referiu Jorge Veiga França, que lidera a única lista para a direção da associação.

“O Centro Internacional de Negócios será mais uma infraestrutura que facilitará a instalação de outros nichos de mercado, como o desenvolvimento de hubs na Madeira, designadamente as novas tecnologias”, adiantou. “Abraço essas novas áreas de negócios”.

A par desta estratégia, Jorge Veiga França que também dar atenção especial aos pequenos comerciantes e empresários.

“À imagem do que acontece em todas as economias, e a Madeira não é excepção, são esses empresários que caracterizam não só a associação, mas também a própria economia”, sublinhou.

“Acredito que precisam de uma atenção  muito especial, que lhes dê a mão, lhes proponha uma formação adequada, não só de modernização dos seus pequenos negócios, mas também uma melhor estratégia de optimização da sua própria atividade”, disse.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Relacionadas

Candidato à ACIF pede programa de apoio a pequenos comerciantes

O objetivo do programa passa por trazer uma maior eficiência aos pequenos empresários mantendo-os atualizados em matéria fiscal e permitir recorrer aos fundos europeus disponíveis.
Recomendadas

Binter lança campanha para voos entre Madeira, Canárias e Tenerife

A campanha é válida até este sábado para voos realizados em março.

Orquestra Clássica da Madeira em concerto que comemora os seus 55 anos

O concerto vai ter lugar no Centro de Congressos da Madeira, com início às 18h.

PSD diz que a Madeira “pode orgulhar-se” de ser a primeira no País a avançar com estatuto do cuidador informal

João Paulo Marques diz que a proposta “prova” que o Governo Regional tem a intervenção e o apoio social como áreas prioritárias de governação, “não só apoiando quem mais precisa, mas, com o estatuto do cuidador informal, cuidando de quem cuida e dando condições para que os familiares possam cuidar dos seus doentes em casa, que é onde deles precisam e onde merecem estar”.
Comentários