Otimismo regressa às bolsas europeias e contagia PSI 20. Grupo Sonae e BCP lideram ganhos

Os investidores estão mais otimistas, no dia em que arranca a earning season nos Estados Unidos e as tensões comerciais entre Washington e Pequim dão sinais de abrandar.

A bolsa nacional está a negociar em alta, a meio da manhã desta sexta-feira, dia 12 de outubro, impulsionada pelo grupo Sonae e BCP. O principal índice do mercado, PSI 20, soma 0,50%, para 5.019,43 pontos, em linha com as praças europeias, que estão de regresso aos ganhos. Os investidores estão mais otimistas, no dia em que arranca a earning season nos Estados Unidos e as tensões comerciais entre Washington e Pequim dão sinais de abrandar.

A Sonae Capital é a cotada que mais sobe no índice nacional, estando a registar uma subida de 5,69% para 0,761 euros. Esta valorização acontece depois de a Sonae ter comunicado, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o cancelamento da Oferta Pública de Venda (OPV) das ações da unidade de retalho do grupo, Sonae MC, por não ter conseguido concretizar a oferta junto de investidores internacionais. A reagir a isso, a Sonae soma também 1,33% para 0,840 euros.

No setor da energia, a EDP soma 0,42% para 3,093 euros, a EDP Renováveis valoriza 0,74% para 8,150 euros e a REN avança 0,26% para 2,356 euros. Em alta estão ainda a Jerónimo Martins (1,20%), o BCP (1,15%), os CTT (0,38%), a Semapa (0,23%), a Pharol (3,28%), a NOS (1,31%), a Mota-Engil (0,23%), a Corticeira Amorim (1,16%) e a Altri (0,27%).

A pressionar o PSI 20 estão a Galp Energia, que perde 0,60% para 15,755 euros, e a Navigator, que recua 1,11% para 4,114 euros. De referir que a Navigator foi uma das cotadas que mais subiu ontem no índice, após a revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira.

Com esta medida, a Navigator vai passar a registar perdas anuais de cerca de dois milhões de euros e de cerca de três milhões de euros no EBITDA, de acordo com o comunicado enviado ontem à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”, refere a nota da CMVM.

Em terreno negativo estão ainda a Ibersol (-0,22%) e a F. Ramada (-0,52%).

As restantes praças europeias estão a negociar em sentido positivo. O índice alemão DAX soma 0,57%, o francês CAC valoriza 0,61%, o italiano FTSE MIB aprecia 0,30%, o holandês AEX sobe 0,27%, o britânico FTSE 100 ganha 0,64% e o espanhol IBEX 35 avança 0,19%.

“O otimismo está de regresso às bolsas europeias, no dia em que arranca a época oficial de apresentação de contas nos EUA, com a banca em destaque (JPMorgan, Wells Fargo e Citigroup)”, indica Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. “De forma global temos o aliviar de tensões comerciais a dar relativo alento, depois de Trump ter agendado nova reunião com o homólogo chinês”.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma 0,96% para 81,03 euros, enquanto a cotação do crude WTI avança 1,07%, para 71,73 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,09% para 1,158 dólares e a libra soma 0,17% para 1,321 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Bolsa portuguesa acompanha tendência europeia e cai com Altri e Sonae SGPS a liderar perdas

O principal índice bolsista português cai 0,67%, para 4.790,81 pontos.

O póquer é dos políticos, mas as fichas somos nós

May precisa de sobreviver, Bruxelas quer fazer do Reino Unido um exemplo e os deputados pensam nas próximas eleições na Escócia, na Irlanda do Norte ou em todo o país, no caso dos Trabalhistas.

Só o Dow Jones fechou em alta. Petróleo disparou

Otismismo dos investidores em torno das negociações comerciais desvaneceu e só o Dow Jones encerrou em terreno positivo. Petróleo disparou.
Comentários