Otimismo regressa às bolsas europeias e contagia PSI 20. Grupo Sonae e BCP lideram ganhos

Os investidores estão mais otimistas, no dia em que arranca a earning season nos Estados Unidos e as tensões comerciais entre Washington e Pequim dão sinais de abrandar.

A bolsa nacional está a negociar em alta, a meio da manhã desta sexta-feira, dia 12 de outubro, impulsionada pelo grupo Sonae e BCP. O principal índice do mercado, PSI 20, soma 0,50%, para 5.019,43 pontos, em linha com as praças europeias, que estão de regresso aos ganhos. Os investidores estão mais otimistas, no dia em que arranca a earning season nos Estados Unidos e as tensões comerciais entre Washington e Pequim dão sinais de abrandar.

A Sonae Capital é a cotada que mais sobe no índice nacional, estando a registar uma subida de 5,69% para 0,761 euros. Esta valorização acontece depois de a Sonae ter comunicado, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o cancelamento da Oferta Pública de Venda (OPV) das ações da unidade de retalho do grupo, Sonae MC, por não ter conseguido concretizar a oferta junto de investidores internacionais. A reagir a isso, a Sonae soma também 1,33% para 0,840 euros.

No setor da energia, a EDP soma 0,42% para 3,093 euros, a EDP Renováveis valoriza 0,74% para 8,150 euros e a REN avança 0,26% para 2,356 euros. Em alta estão ainda a Jerónimo Martins (1,20%), o BCP (1,15%), os CTT (0,38%), a Semapa (0,23%), a Pharol (3,28%), a NOS (1,31%), a Mota-Engil (0,23%), a Corticeira Amorim (1,16%) e a Altri (0,27%).

A pressionar o PSI 20 estão a Galp Energia, que perde 0,60% para 15,755 euros, e a Navigator, que recua 1,11% para 4,114 euros. De referir que a Navigator foi uma das cotadas que mais subiu ontem no índice, após a revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira.

Com esta medida, a Navigator vai passar a registar perdas anuais de cerca de dois milhões de euros e de cerca de três milhões de euros no EBITDA, de acordo com o comunicado enviado ontem à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”, refere a nota da CMVM.

Em terreno negativo estão ainda a Ibersol (-0,22%) e a F. Ramada (-0,52%).

As restantes praças europeias estão a negociar em sentido positivo. O índice alemão DAX soma 0,57%, o francês CAC valoriza 0,61%, o italiano FTSE MIB aprecia 0,30%, o holandês AEX sobe 0,27%, o britânico FTSE 100 ganha 0,64% e o espanhol IBEX 35 avança 0,19%.

“O otimismo está de regresso às bolsas europeias, no dia em que arranca a época oficial de apresentação de contas nos EUA, com a banca em destaque (JPMorgan, Wells Fargo e Citigroup)”, indica Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. “De forma global temos o aliviar de tensões comerciais a dar relativo alento, depois de Trump ter agendado nova reunião com o homólogo chinês”.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma 0,96% para 81,03 euros, enquanto a cotação do crude WTI avança 1,07%, para 71,73 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,09% para 1,158 dólares e a libra soma 0,17% para 1,321 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Um em cada dez investidores institucionais já usa Inteligência Artificial

“É tentador assumir que a rapidez, eficiência e os menores atritos criam mercados mais precisos e seguros, mas este não é necessariamente o caso. Em muitos casos as ineficiências simplesmente aumentam”, alertou Paras Anand, diretor de gestão de ativos da Ásia na Fidelity International.

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

“Fusões em Portugal já deviam ter começado há bastante tempo”

No programa Decisores desta semana, o tema é a compra da gestora de fundos Optimize pela DiF Broker. Os líderes das duas empresas explicam como o poder dificulta as fusões no setor.
Comentários