Pagamento de indemnizações é solução preferida para combater contratos a prazo

A sondagem da Aximage para o “Jornal de Negócios” e “Correio da Manhã”, divulgada esta quarta-feira, mostra que 37,2% dos inquiridos considera que esta é a melhor solução para o combate à contratação a prazo.

Ler mais

Mais de um terço dos portugueses – 37,2% – considera que a melhor forma de combater os contratos a prazo é obrigar ao pagamento de uma indemnização quando o contrato não é renovado, segundo uma sondagem da Aximage para o “Jornal de Negócios” e “Correio da Manhã”.

A sondagem, divulgada esta quarta-feira, 14 de março, pelo dois jornais, é feita tendo como enquadramento o regresso da discussão das leis laborais ao Parlamento, esta terça-feira, para discussão de propostas do PCP, do BE e do PAN.

A segunda medida preferida dos inquiridos neste estudo é a redução da duração máxima dos contratos a prazo (29,1%), seguida do agravamento da Taxa Social Única (26,9%).

Na sexta-feira, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social anunciou que vai apresentar propostas para limitar a contratação a termo na próxima reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, agendada para dia 23, prevendo que o processo fique concluído no primeiro semestre do ano.

José António Vieira da Silva, que falava à saída de uma reunião da Concertação Social, disse que, neste momento, o Governo “está a finalizar” a análise dos contributos enviados ao Governo pelas confederações patronais e centrais sindicais, pelo que apresentará as propostas aos parceiros sociais dentro de duas semanas, embora não tenha revelado medidas em concreto.

A Assembleia da República debate hoje dez projetos de lei e uma resolução sobre legislação laboral, apresentados por vários grupos parlamentares mas cujo destino mais provável deverá ser o chumbo, numa iniciativa agendada pelo Partido Comunista Português.

Relacionadas

Governo apresenta dia 23 aos parceiros medidas para limitar contratos a prazo

O ministro do Trabalho anunciou esta sexta-feira que vai apresentar as propostas para limitar a contratação a termo na próxima reunião da Concertação Social, marcada para dia 23, prevendo que o processo fique concluído no primeiro semestre do ano.

Governo negoceia redução da duração dos contratos a prazo com parceiro sociais

Em Portugal, segundo Bruxelas, os patrões não só recorrem em demasia a contratos a prazo como os remuneram pior: em média são 15% a 20% de salário a menos.

Portugal é o terceiro país da União Europeia com mais contratos a prazo

Apenas Espanha e a Polónia recorrem mais a contratos temporários do que Portugal.

Vieira da Silva: “Nunca foram criados tantos empregos no espaço de um ano”

No ano passado, a população empregada ultrapassou os 4,7 milhões de pessoas. O valor mais alto desde 2010 e representa a criação de mais 151 mil postos de trabalho face a 2016, destaca balanço de dois anos da legislatura em matéria de emprego hoje divulgado pelo gabinete do ministro do Trabalho.

Alterações laborais vão avançar em linha com programa do Governo, realça Vieira da Silva

“Não estamos obviamente satisfeitos, continuaremos o trabalho e faremos as mudanças da legislação laboral em linha com aquilo que está comprometido no programa do Governo”, afirmou o ministro do Trabalho.
Recomendadas

Novo regime dos recibos verdes vai abranger 300 mil trabalhadores

“Poderemos atingir valores à volta dos 300 mil trabalhadores cobertos por este novo sistema”, disse Vieira da Silva à margem de uma conferência sobre o novo regime contributivo dos trabalhadores independentes, promovida pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), em Lisboa.

Comércio “altamente” dependente de flutuações de preços do petróleo

Um aumento do preço do petróleo resulta numa deterioração das trocas comerciais e numa diminuição do poder de compra das famílias, segundo estudo publicado no ‘Economic Bulletin Issue’ do BCE.

‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.
Comentários