Pais de utentes e funcionários apresentaram lista para a direção da Raríssimas

A nova direção visa substituir a que era liderada por Paula Brito e Costa, que se demitiu da presidência da Raríssimas após uma reportagem da TVI em que se levantavam suspeitas sobre a sua gestão.

Mário Cruz/Lusa

Pais de utentes e funcionários da Raríssimas apresentaram hoje uma candidatura à direção da associação, na sequência da saída de Paula Brito da Costa por suspeita de má gestão, estando a lista a ser apreciada pela mesa da Assembleia-Geral. A lista foi apresentada na assembleia extraordinária para eleger nova direção, que decorre hoje na Moita, em Setúbal.

Os trabalhos, que se iniciaram às 10:40, com 40 minutos de atraso em relação à hora marcada, estão suspensos para que os nomes que constam da lista sejam debatidos. A lista que foi conhecida esta manhã visa eleger até nove membros da direção e um a três suplentes que asseguram a condução da Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras até 2019.

Esta nova direção visa substituir a que era liderada por Paula Brito e Costa, que se demitiu da presidência da Raríssimas após uma reportagem da TVI em que se levantavam suspeitas sobre a sua gestão.

A Assembleia-Geral, à qual assistem cerca de 30 membros, decorre do salão dos Bombeiros Voluntários da Moita, ao lado da Casa dos Marcos, onde funcionam os serviços da Raríssimas.

Paula Brito da Costa foi constituída arguida no âmbito da operação Raríssimas desenvolvida pela Polícia Judiciária e Ministério Público, disse à Lusa fonte ligada à investigação. A operação está a ser conduzida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

A investigação da TVI mostrou documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente de Paula Brito da Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro para diversos gastos pessoais.

O caso provocou a demissão do secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, que foi consultor da Raríssimas, com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.

Ler mais
Relacionadas

Raríssimas ou vulgaríssimas? a fiscalização dirá

O problema surge quando essas figuras públicas, por falta de tempo e por fazerem fé nos restantes corpos sociais, baixam a guarda e aprovam planos de atividades e relatórios de contas que não leram com a atenção devida. Ou quando funcionam como uma espécie de facilitadores.

Polícia vigiava Paula Brito da Costa desde segunda

Investigadores encontraram documentos da associação na posse da ex-presidente, levados da Casa dos Marcos na véspera das buscas.

Justiça investiga ligações de Delgado e Fertuzinhos à Raríssimas

Ministério Público investiga ex-secretário de Estado da Saúde e deputada do PS devido às viagens e colaborações pagas pela Raríssimas. Em causa estão suspeitas de peculato, falsificação e recebimento indevido de vantagens.
Recomendadas

PremiumCadeia de Lisboa fecha até 2020, abrindo a porta a negócio de milhões

Cadeia de Lisboa será encerrada até 2020, apurou o JE. Terreno situado em pleno coração da capital vale mais de 200 milhões de euros e deverá acolher o novo Campus da Justiça. Parte do terreno ficará para a CML e poderá ter lugar a venda a privados.

Tribunal declara ilegais serviços mínimos na greve dos professores

O Tribunal da Relação de Lisboa declarou ilegais os serviços mínimos que foram decretados em julho, pelo colégio arbitral, no âmbito da greve às reuniões de avaliações.

Ordem dos Advogados quer esclarecimentos sobre o “algoritmo da Justiça”

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem quer que o Instituto de Gestão Financeira e dos Equipamentos da Justiça preste todos os esclarecimentos sobre matéria de aleatoriedade do sistema.
Comentários