Palacete devoluto em Lisboa alvo de investimento superior a seis milhões de euros

Incortel faz a sua estreia no mercado português, num empreendimento em homenagem ao escritor Camillo Castelo Branco, que será construido no antigo Palacete de Art Noveau.

A Incortel vai investir mais de seis milhões de euros num empreendimento na cidade de Lisboa. O grupo imobiliário brasileiro faz a sua estreia em Portugal, com o projeto denominado “Camillo 25” em homenagem ao escritor português Camillo Castelo Branco, que foi apresentado esta quinta-feira, 11 de outubro, no Grémio Literário, em Lisboa.

O edifício de seis andares vai ser construído no Palacete de Art Noveau, que se encontra devoluto, situado na rua Camilo Castelo Branco nº 25, perto da Avenida da Liberdade e será composto por 11 apartamentos de tipologia T1 e T2, onde estão incluídos dois duplex, com os preços a variarem entre os 580 mil euros e o 1,2 milhões de euros, estando a sua conclusão prevista para dentro de 18 meses.

As vendas começam já esta sexta-feira, 12 de outubro, através da agência Remax Collection. Cecília Zon Rogério, presidente da Incortel, referiu durante o evento que a apresentação deste projeto no Brasil originou “três ou quatro reservas”.

Cecília Zon Rogério assegurou que este será “o primeiro de muitos projetos em Portugal”, já que o grupo “veio para ficar”, pretendendo começar em 2019, o seu segundo investimento, tendo em vista dois locais, sendo um no centro histórico da capital portuguesa e outro na periferia.

A Incortel possui cerca de duas mil unidades hoteleiras espalhadas pelo Brasil e mais de mil unidades residenciais e comerciais.

Recomendadas

VIC Properties compra terrenos da Matinha para construir mais de duas mil habitações

Com uma área de aproximadamente 20 hectares, num total de 260 mil metros quadrados previstos de área de construção, a empresa prevê que as obras sejam iniciadas no início de 2020, e os trabalhos realizados ao longo dos anos seguintes.

Estas são as três zonas de melhor investimento no alojamento local em Lisboa

São Sebastião da Pedreira, São José e Santa Justa revelaram o melhor potencial de investimento numa análise da Hostmaker. Em sentido oposto, as zonas de Belém e São Miguel dos Olivais foram consideradas as menos atrativas devido à reduzida ocupação anual e aos preços por noite praticados.

Ocupação do mercado de escritórios em Lisboa aumentou 64% em maio

Em termos homólogos o crescimento foi de 11%, registando um total de 19 operações e uma área média de 940 metros quadrados. A nível trimestral verificaram-se 74 operações e uma área média de 953 metros quadrados.
Comentários