Palacete devoluto em Lisboa alvo de investimento superior a seis milhões de euros

Incortel faz a sua estreia no mercado português, num empreendimento em homenagem ao escritor Camillo Castelo Branco, que será construido no antigo Palacete de Art Noveau.

A Incortel vai investir mais de seis milhões de euros num empreendimento na cidade de Lisboa. O grupo imobiliário brasileiro faz a sua estreia em Portugal, com o projeto denominado “Camillo 25” em homenagem ao escritor português Camillo Castelo Branco, que foi apresentado esta quinta-feira, 11 de outubro, no Grémio Literário, em Lisboa.

O edifício de seis andares vai ser construído no Palacete de Art Noveau, que se encontra devoluto, situado na rua Camilo Castelo Branco nº 25, perto da Avenida da Liberdade e será composto por 11 apartamentos de tipologia T1 e T2, onde estão incluídos dois duplex, com os preços a variarem entre os 580 mil euros e o 1,2 milhões de euros, estando a sua conclusão prevista para dentro de 18 meses.

As vendas começam já esta sexta-feira, 12 de outubro, através da agência Remax Collection. Cecília Zon Rogério, presidente da Incortel, referiu durante o evento que a apresentação deste projeto no Brasil originou “três ou quatro reservas”.

Cecília Zon Rogério assegurou que este será “o primeiro de muitos projetos em Portugal”, já que o grupo “veio para ficar”, pretendendo começar em 2019, o seu segundo investimento, tendo em vista dois locais, sendo um no centro histórico da capital portuguesa e outro na periferia.

A Incortel possui cerca de duas mil unidades hoteleiras espalhadas pelo Brasil e mais de mil unidades residenciais e comerciais.

Recomendadas

OE2019: Proprietários contra propostas de taxa municipal e agravamento de IMI

As associações de proprietários classificaram hoje de completa e total injustiça as propostas do Orçamento do Estado (OE) de criação de uma taxa municipal de proteção civil e o agravamento do IMI de imóveis devolutos para promover a reabilitação.

Só 10% das habitações destruídas nos incêndios estão recuperadas

Das 366 casas que arderam nos incêndios de 2017 apenas 36 estão prontas. Obras de empreiteiros não cumprirão o prazo contratual.

Edifícios podem poupar cerca de 30% de água

Depois da eficiência energética é a vez da hídrica entrar no dicionário dos portugueses. É prioritário poupar na eletricidade mas também na água.
Comentários