Pandemia quebrou dois mitos: mercado está digitalizado e há investimento sempre disponível, dizem empresários e investidores

Estuda da consultora Beta-i concluiu que, para mais de um terço dos empreendedores, a principal inquietação é a criação de novos serviços e produtos digitais relevantes.

A maioria dos empreendedores, gestores de grandes empresas e investidores (56,9%) acredita a pandemia veio demonstrar que a ideia de que a transformação digital é uma realidade e a sociedade está digitalizada não passa de um “mito”. A conclusão é de um estudo da consultora de inovação Beta-i, designado “Learnings in times of a pandemic – A quick poll on personal mindset changes” e publicado esta quinta-feira.

Mais de um terço (31%) admite que há outra crença que caiu por terra (ou por vírus): a de que o investimento de capital está sempre disponível para modelos de negócios novos e validados. Depois de ultrapassada a crise sanitária, metade (50%) dos participantes na análise antecipa que as relações B2B (Business-to-Business) entre empresas, fornecedores e investidores passarão a considerar novos fatores ambientais e sociais – ESG – nos processos de compra e investimento. Ademais, 36,2% prevê que o consumidor irá tornar-se cada vez mais atento à forma como as empresas produzem e desenvolvem o seu negócio.

Questionados sobre qual a principal preocupação em termos de desempenho do negócio com este gradual retorno ao “normal”, 34,5% dos inquiridos admitiram estar receosos por as vendas não serem as mesmas do que antes do surto ou por, mesmo que recuperarem, têm de reinventar o seu negócio principal.

No entanto, uma percentagem significativa (39,7%) dos participantes referiu que a inquietação está em torno da criação de novos serviços e produtos digitais relevantes; melhores ferramentas para os vender; a pobreza transversal criada pelo lockdown; menos financiamento disponível; não aprender o suficiente com esta oportunidade como sociedade e as restrições a viagens de negócios.

A Beta-i considera que a reinvenção tecnológica é “inevitável” durante o processo de desconfinamento e de retoma da atividade económica. “Nos últimos anos, a digitalização tem sido um hot topic, mas será que o mercado sabia verdadeiramente que processos implicava? A Covid-19 veio assim provar que muitos de nós não estavam devidamente preparados para enfrentar um shutdown sem precedentes”, afirma o cofundador e CEO da consultora, Pedro Rocha Vieira.

O inquérito, realizado entre os meses de maio e junho, contou com a  participação de 58 agentes do ecossistema empreendedor, entre os quais incluindo fundadores de startups, CEO e diretores de grandes empresas, investidores e think tanks com escritórios em Portugal e em países como Áustria, Bélgica, Brasil, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Líbano, Espanha, Turquia, Estados Unidos da América ou Itália.

Ler mais
Recomendadas

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.

Amazon com lucros 6,3 mil milhões de dólares, acima das previsões dos analistas

A empresa do homem mais rico do mundo conseguiu lucros e receitas acima das projeções dos analistas, sendo que, para o último trimestre do ano, a empresa antecipa resultados ainda mais fortes, naquela que é uma das maiores ganhadoras na pandemia.
Comentários