Paquete Funchal vendido por 3,9 milhões de euros

O leilão tinha um valor inicial de 2,3 milhões de euros e foram recebidas quatro ofertas, acabando por ficar na posse dos britânicos da Signature Living que não quiseram dar detalhes sobre as suas intenções para o histórico paquete Funchal.

O navio Funchal foi hoje vendido em hasta pública ao grupo hoteleiro britânico Signature Living por 3,910 milhões de euros, após uma disputa renhida com um consórcio luso-francês.

O leilão tinha um valor inicial de 2,3 milhões de euros e foram recebidas quatro ofertas, acabando por ficar na posse dos britânicos da Signature Living que não quiseram dar detalhes sobre as suas intenções para o histórico paquete Funchal.

O representante do grupo, que esteve hoje na hasta pública que decorreu a bordo do navio, que está atracado no Cais da Matinha, em Lisboa, desde 2 de janeiro de 2015, declarou apenas que o Funchal vai ser levado para Inglaterra e que esta é a primeira embarcação adquirida pela Signature Living.

O valor da venda remete para a massa falida, sendo que o Paquete deixou uma dívida que só ao Montepio Geral é quase 10 vezes superior ao valor da venda.

O Paquete está atracado desde 2015 na sequência da insolvência das empresas de cruzeiros de Rui Alegre. Só os créditos reconhecidos em sede de insolvência da sociedade detentora do navio, a Pearl Cruises, totalizam 34 milhões de euros, estando maioritariamente ancorados no Montepio.

Há duas semanas, um trabalho da SIC avançava que o Montepio Geral terá financiado em cerca de 150 milhões de euros o projeto de Rui Alegre, mais de metade desse valor sem quaisquer garantias.

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

Os maiores escândalos empresariais dos últimos cinco anos

De 2015 até hoje, houve muita falcatrua no mundo empresarial. A Volkswagen falsificou testes obrigatórios, a Google subornou fabricantes de telemóveis, as baterias da Samsung explodiram e há aviões com peças contrafeitas.

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Governos ignoraram alerta do ROC sobre risco de “fraudes” na Caixa

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.
Comentários