Premium‘Portugal’ é uma “marca subaproveitada”, diz especialista em marketing

Martin Lindstrom, um dos ‘branding futurists’ mais famosos do mundo, analisou a marca ‘Portugal’ em exclusivo para o Jornal Económico e disse que o país tem que se encontrar para descobrir a imagem que quer projetar.

Portugal tem dado cartas no turismo e isso não é novidade. Ao Jornal Económico, no passado mês de setembro, o presidente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, disse que o setor ganhou tanta importância para os cofres públicos do Estado que a economia nacional não seria sustentável sem o turismo. Se o peso económico desta atividade parece ser inquestionável, o que dizer da marca ‘Portugal’? Reformulando a pergunta, a que associam os estrangeiros que nos visitam quando pensam em ‘Portugal’?

O Jornal Económico falou sobre a marca ‘Portugal’ com o dinamarquês e guru do marketing, Martin Lindstrom, considerado pela revista “Time” como uma das cem pessoas mais influentes do mundo e que presta serviços de consultoria em marketing a empresas da Fortune 100 e orador convidado do Business Transformation Summit, organizado pela Cegoc, que decorreu no passado dia 9, no Centro de Congressos de Lisboa.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários