Parceiros sociais voltam hoje a discutir aumento do salário mínimo para 2019

O aumento do salário mínimo em 2019 volta esta sexta-feira à Concertação Social, tendo o Governo assumido que 600 euros é “um ponto de partida” e que não se oporá a um valor superior desde que haja acordo entre parceiros sociais.

Miguel A. Lopes / Lusa

O aumento do salário mínimo em 2019 volta esta sexta-feira à Concertação Social, tendo o Governo assumido que 600 euros é “um ponto de partida” e que não se oporá a um valor superior desde que haja acordo entre parceiros sociais.

O montante previsto para o próximo ano no programa do Governo é de 600 euros, mas as centrais sindicais reclamam uma subida dos atuais 580 euros para 615 euros, no caso da UGT, e para 650 euros, do lado da CGTP.

Porém, do lado das confederações patronais, tanto a CIP – Confederação Empresarial de Portugal, como a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) têm defendido que não há condições para as empresas suportarem um valor acima de 600 euros devido à elevada carga fiscal.

Na primeira reunião da Concertação Social sobre o tema, em 13 de novembro, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, disse que o “ponto de partida” para a negociação é o aumento para 600 euros a partir de 2019, tal como está no programa do Governo.

Porém, Vieira da Silva admitiu ir mais além, desde que haja entendimento entre os parceiros sociais, uma tarefa que se adivinha difícil tendo em conta as posições das centrais sindicais e das confederações patronais.

“Se criarmos condições para que haja um entendimento alargado de que será vantajoso um outro valor [acima de 600 euros], não será o Governo que se irá opor”, disse então o ministro do Trabalho.

“Aquilo que estamos disponíveis é para aceitar a proposta do Governo de 600 euros”, afirmou o presidente da CIP, António Saraiva, acrescentando que qualquer valor superior teria de ter em conta medidas no Orçamento do Estado com vista a aliviar a carga fiscal das empresas.

Já o presidente da CCP, João Vieira Lopes, lembrou que nunca foi contra a subida do salário mínimo e que as empresas estão “preparadas” para que a remuneração suba para os 600 euros no próximo ano.

“Agora, com esta carga fiscal, não vemos condições” para que o valor possa ser superior, realçou Vieira Lopes.

Ler mais
Relacionadas

Salário mínimo acima de 600 euros? “Não é viável”, defendem ‘patrões’

O presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, que em julho admitiu que as empresas poderiam ir além dos 600 euros, considerou que afinal não há condições para ultrapassar esse valor.

Costa: “O salário médio das famílias aumentou 3,4% sem que o investimento fuja”

O primeiro-ministro, António Costa, disse que o salário médio das famílias aumentou 3,4% sem que o investimento tenha ficado comprometido e falou sobre as greves dos diversos funcionários da administração pública.

Ministro afirma que salário mínimo de 600 euros em 2019 “é ponto de partida”

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, falava à saída da reunião da Concertação Social, em Lisboa, onde começou esta tarde a ser discutido o aumento do salário mínimo nacional para 2019. Atualmente é de 580 euros.
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

João Ferreira recupera tema da “renegociação da dívida nos juros, prazos e montantes”

“Ao todo, foram mais de 100 mil milhões de euros de juros pagos à banca desde a entrada de Portugal no euro, recursos que fizeram e fazem falta aos salários, pensões, aos serviços e investimento públicos, à dinamização da produção nacional”, afirmou o eurodeputado comunista.
Comentários