Parlamento quer apertar regras a deputados que exercem advocacia

Os trabalhos da Comissão Eventual para o Reforço da Transparência no Exercício de Funções Públicas poderá impedir advogados e sociedades de litigarem contra ou a favor do Estado.

A Comissão Eventual para o Reforço da Transparência no Exercício de Funções Públicas quererá reforçar o regime de incompatibilidades dos deputados, através de um regime próximo da exclusividade, segundo noticia este sábado o Diário de Notícias.

As regras aplicam-se a deputados que também exercem advocacia ou consultadoria jurídica. Atualmente, a lei já prevê que deputados-advogados não possam litigar contra o Estado. A alteração seria portanto para incluir também litigância a favor do Estado ou entidades públicas.

Além dos próprios, a regra poderá aplicar-se também às sociedades de advogados que integrem, por proposta do PS e PCP. Esta deverá contar com o apoio do Bloco de Esquerda, de acordo com o DN. Os trabalhos legislativos estão a decorrer na comissão, sendo que as votações finais são esperadas no final de fevereiro.

Recomendadas

Ordem dos Advogados propõe quotas mais baixas e novo escalão para mais novos

Consulte aqui os valores propostos para o próximo ano, a entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2019. Segundo esta entidade, a decisão deve-se à “reivindicação” dos profissionais devido ao “elevado valor das quotas dos seus associados individuais”.

Ordem dos Advogados propõe redução de quotas em 2019

A Ordem dos Advogados elaborou uma proposta de redução anual das quotas dos advogados num total de 1,2 milhões de euros, que será discutida em assembleia geral extraordinária a 15 de outubro.

Sonae pretende colocar 25% do negócio do retalho em bolsa

A IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a investidores institucionais, anunciou a retalhista.
Comentários