Parlamento de Cabo Verde aprova lei que impõe limite de 60% do PIB para dívida pública

Nuías Silva, deputado do PAICV, fala em “faits divers”, uma vez que uma das propostas era do governo não poder contrair dívida acima do que estivesse inscrito no Orçamento do Estado.

A lei aprovada, em sessão parlamentar, estabelece que a dívida pública, interna e externa, de curto e médio prazo, não pode exceder 60% do Produto Interno Bruto (PIB) a preços de mercado. No caso do governo em exercício, ultrapassar o limite máximo no final do ano fiscal “fica obrigado a apresentar estratégias bem definidas que a reconduzam ao limite estipulado”, estabelece a lei.

A chamada de lei de Constituição, Emissão e Gestão da Dívida Pública foi aprovada na especialidade, apenas com os votos favoráveis do MPD, partido do governo. A oposição, o PAICV e a UCID, votaram contra porque dizem que as sugestões apresentadas para melhorar o documento não foram acatadas pelo governo e partido que o sustenta.

O deputado do MPD João Duarte defendeu que esta lei vem preencher uma lacuna existente em termos de disciplina de acumulação da dívida pública e fixa a obrigatoriedade ao Governo apresentar, trimestralmente, informações sobre o estado da dívida pública ao Parlamento. “Houvesse esta lei há mais tempo o país não chegaria ao nível de endividamento publico que chegou, atingindo a 130% do PIB”, referiu.

O PAICV, o maior partido da oposição em Cabo Verde, que tinha votado a favor da lei na generalidade, votou agora contra por ver chumbada a proposta com sete artigos apresentada.

Nuías Silva, deputado do PAICV, fala em “faits divers”, uma vez que uma das propostas era do governo não poder contrair dívida acima do que estivesse inscrito no Orçamento do Estado. Para este deputado, “o governo quis passar apenas a imagem de que quer controlar a divida pública, mas na verdade deixa a porta traseira aberta em termos de contração da dívida pública “.

Opinião semelhante tem a UCID, terceira força no parlamento, que votou contra porque considera que a divida de longo prazo, fatia maior do endividamento, ficou de fora da lei de contratação e gestão da dívida pública. “Votamos contra na especialidade porque esta lei vem resolver o problema da divida pública em Cabo Verde. Um dos artigos fala na dívida pública de curto e médio prazo, mas ignora-se a de longo prazo que é o maior bolo, fica em 129%”, referiu o deputado da UCID João Luís.

Recorde-se que, na votação na generalidade, que aconteceu em outubro, a lei que estabelece a Constituição, Emissão e Gestão da Dívida Pública teve votos favoráveis da maioria dos deputados. A proposta, aprovada na especialidade, aplica-se à dívida pública de todas as entidades do setor público administrativo, salvo a das autarquias locais que se regem por lei especial, e reporta apenas à dívida direta do Estado – isto é: àquela que respeita à obtenção de recursos financeiros para fazer face às necessidades de financiamento decorrentes da execução das tarefas prioritárias do Estado, constitucionalmente consagradas.

Ler mais
Recomendadas

Tribunal de Contas cabo-verdiano alerta que 99% das empresas públicas não pagam dívidas

Presidente do TC aconselhou a Direção da Receita do Estado a fazer melhorias na plataforma eletrónica que gere a dívida do Estado.

Ministro cabo-verdiano anuncia recrutamento de mais 239 enfermeiros para o SNS

O ministro da Saúde de Cabo Verde, Arlindo do Rosário, anunciou que ainda este ano vão ser recrutados 239 enfermeiros, perfazendo cerca de 400 novos quadros do género entrados para o Sistema Nacional de Saúde (SNS). O governante cabo-verdiano informou também que até ao próximo mês de junho serão admitidos mais 11 médicos, o que, […]

FMI continuará a apoiar Cabo Verde na implementação de reformas

“A economia já recuperou de forma sólida, a taxa de crescimento encontra-se na ordem dos 5,5% e a taxa de inflação está controlada. Naturalmente, que muito mais é necessário fazer”, disse Tao Zhang.
Comentários