Parlamento Europeu critica Boris Johnson por criar “ambiente hostil”

O Parlamento Europeu expressou clara vontade em vetar um acordo do Brexit que não salvaguarde a livre circulação entre as Irlandas.

DR Daniel Leal-Olivas/ REUTERS

Na próxima sessão do Parlamento europeu, os deputados irão debater o Brexit. Em causa está o tratamento dado pelo governo britânico aos cidadãos da União Europeia (UE)  e a possibilidade de vetar um acordo que não salvaguarde a livre circulação entre as Irlandas.

De acordo com um documento a que o The Guardian teve acesso, os parlamentares vão ‘barrar’ um acordo de saída do Reino Unido da UE se este não incluir uma cláusula de salvaguarda (ou backstop) para evitar repor a fronteira entre as Irlandas: a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, que pertence ao Reino Unido.

A resolução, redigida pelos principais partidos políticos do parlamento (populares, sociais-democratas e liberais)  critica o governo de Boris Johnson por “insistir que o backstop tem de ser retirado do acordo de saída, sem até agora ter apresentado propostas legalmente viáveis que possam substituí-lo”.

O documento expressa também a “prontidão da UE em aprovar um backstop exclusivo da Irlanda do Norte”, a proposta original do bloco rejeitada por Theresa May como uma ameaça à integridade constitucional do Reino Unido. Mas a resolução enfatiza que “não dará consentimento a um acordo de saída sem um backstop“. Trata-se de uma maneira de proteger não só a integridade do mercado único e a livre circulação na ilha irlandesa como o respetivo processo de paz, de que a inexistência prática de fronteiras é um ponto forte.

Mas a crítica mais forte à abordagem de Johnson remete para o tratamento dado pelo primeiro-ministro aos cidadãos dos 27 que vivem no Reino Unido. O Parlamento acusa o governo de fomentar um “ambiente hostil” em Londres.

Segundo jornal britânico, tem crescido o número de candidatos à residência permanente oriundos da UE que obtêm como resposta que não têm esse direito automático: de 32% para 42% dos aspirantes ao longo deste ano. Os deputados europeus sugerem que seja adotado um regime de atribuição automática desse estatuto, cabendo do Governo britânico fundamentar as rejeições.

A resolução do Parlamento Europeu expressa “grave preocupação em relação aos anúncios recentes e conflituosos do Ministério do Interior relativos à livre circulação após 31 de outubro de 2019 tenham gerado incerteza desnecessária aos cidadãos da UE residentes no Reino Unido e agravado o ambiente hostil, além de impactar negativamente a sua capacidade de fazer valer os seus direitos ”. A ministra do Interior de Johnson, Priti Patel, é considerada da ala dura e forte defensora do controlo da imigração.

Ler mais
Relacionadas

Tribunal escocês declara suspensão do Parlamento britânico ilegal

O parlamento britânico ficará suspenso até dia 14 de outubro depois de ter recebido ‘luz verde’ dos tribunais ingleses. Juízes da mais alta instância judicial da Escócia, ‘barram’ o Governo e afirmam que a suspensão é “inconstitucional”.

Esforços de Boris para impedir extensão do Brexit podem levá-lo à prisão

A imprensa britânica divulgou que o primeiro-ministro tem um novo ‘truque na manga’. Magistrados e especialistas jurídicos já alertam que Boris Johnson não está acima da lei, e que caso a lei de Benn não seja respeitada, o líder do Partido Conservador pode acabar preso.

Angela Merkel ainda acredita num acordo entre Reino Unido e UE

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse hoje que espera um acordo entre o Reino Unido e a UE sobre o ‘Brexit’, apesar das incertezas sobre a situação política de Londres.
Recomendadas

Angola vai aos mercados buscar até 3 mil milhões de dólares

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos do Banco Fomento Angola diz que a equipa do Ministério das Finanças reuniu-se com vários investidores na semana passada em Nova Iorque, numa operação que será apoiada pelo Deutsche Bank, ICBC e Standard Chartered.

Criminalidade e delinquência são o maior risco de segurança para empresas em Angola, diz Fitch

De acordo com um relatório que apresenta os riscos operacionais em Angola para o primeiro trimestre de 2020, produzido pela consultora Fitch e a que a Lusa teve acesso, a história violenta de Angola, a desigualdade e os altos níveis de pobreza são fatores que contribuem para o elevado nível de crimes com motivação económica no país.

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.
Comentários