Parlamento prolonga trabalhos do observatório dos incêndios até final de dezembro

A proposta apresentada pelos líderes parlamentares surge depois de o presidente do Observatório Técnico Independente, Francisco Castro Rego, ter vindo alertar que o limite temporal imposto não permitia concluir todos os trabalhos a que lhe foram atribuídos.

A Assembleia da República quer prolongar até 31 de dezembro a vigência do Observatório Técnico Independente para análise, acompanhamento e avaliação dos incêndios florestais e rurais em território nacional. A proposta apresentada pelos líderes parlamentares surge depois do presidente do observatório, Francisco Castro Rego, ter vindo alertar que o limite temporal imposto não permitia concluir todos os trabalhos a que lhe foram atribuídos.

“Por carta do Presidente do Observatório Técnico Independente, de 10 de maio, veio o mesmo informar que o limite temporal [de funcionamento do Observatório Técnico Independente] não permite que sejam cumpridas várias das atribuições que a Lei n.º 56/2018, de 20 de agosto, confere ao Observatório”, lê-se no projeto de lei apresentado pela Assembleia da República, após a questão ter sido levantada na Conferência de Líderes de 14 de maio.

Entre as atribuições do Observatório que corriam o risco de não serem cumpridas, Francisco Castro Rego destacava a “emissão de pareceres quanto à revisão do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais ou a pronúncia sobre o relatório anual de atividades do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, ainda não apresentado à Assembleia da República pela Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, I.P.”.

Segundo o Observatório Técnico Independente, “em setembro [altura em que o Observatório Técnico Independente deveria concluir os trabalhos] não será ainda possível proceder à análise e avaliação das origens, características e dinâmicas dos incêndios de 2019, por ser previsível que eles ocorram ainda nesse período”, por “não ter havido ainda avanços nesta matéria”.

“Tendo tais preocupações sido presentes à Conferência de Líderes (…) foi consensualmente considerado que o Observatório Técnico Independente deve poder cumprir cabalmente as atribuições que a lei lhe conferiu, importando deliberar sobre a prorrogação do seu mandato”, lê-se no projeto de lei da Assembleia da República.

A lei prevê a possibilidade de prorrogação do mandato do Observatório Técnico Independente, “embora sem mencionar sob que forma pode ser feita, nem por que prazo, entende-se dever seguir-se a mesma forma de lei para a prorrogação”. Por decisão da Assembleia da República, o prazo de vigência do observatório deve ser prorrogado até 31 de dezembro de 2019.

Ler mais
Relacionadas

Debate quinzenal dedicado hoje à estratégia e gestão integrada de fogos rurais

Este debate quinzenal, que será aberto com uma intervenção de António Costa, vai ocorrer já no período oficial de campanha para as eleições europeias do próximo dia 26.

Quanto custam os desastres naturais?

O ano de 2017 foi aquele que apresentou maiores custos com catástrofes naturais, nos Estados Unidos, resultado de furacões e incêndios destruidores, sendo estimado um prejuízo de quase mil milhões de euros.
Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários