Parlamento ratifica o acordo de Paris

Alterações climáticas foram discutidas hoje pelos deputados.

A Assembleia da República ratificou, durante a reunião plenária de hoje, o acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

O Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, esteve presente na sessão e apresentou a ratificação do acordo de Paris como “um ato de grande responsabilidade para continuar o caminho de combate global às alterações climáticas, que constitui um dos principais desafios que o planeta enfrenta neste século”.

“Todos somos chamados individual e coletivamente a prosseguir o objetivo de reduzir as emissões dos gases de efeito de estufa. O acordo de Paris constitui uma janela de esperança neste combate sem tréguas. É um acordo verdadeiramente ambicioso, dinâmico, durável, abrangente e universal”, continuou o ministro.

“As evidências científicas relativas à influência da atividade humana sobre o sistema climático são mais fortes do que nunca e o aquecimento global é inequívoco. Esta é uma das principais conclusões do painel intergovernamental para as alterações climáticas no seu último relatório de avaliação, indicando que a manutenção dos níveis atuais de emissões de gases com efeitos de estufa provocará um aumento da temperatura e tornará mais provável a existência de impactos irreversíveis para as populações e ecossistemas”, declarou o Ministro do Ambiente, fazendo referência aos fogos florestais que assolaram Portugal no verão.

Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários