Partido de Bolsonaro compara esfaqueamento do presidente a atentado do 11 de setembro

“Há 18 anos um atentado nos Estados Unidos chocava o mundo inteiro: o ataque às Torres Gémeas. Há um ano, o Brasil sofria um ataque à democracia”, referiu o Partido Social Liberal.

O Partido Social Liberal (PSL), do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, comparou na terça-feira o esfaqueamento do mandatário no ano passado, durante a campanha eleitoral, com o atentado de 11 de Setembro de 2001, nos EUA.

“Há 18 anos um atentado nos Estados Unidos chocava o mundo inteiro: o ataque às Torres Gémeas. Há um ano, o Brasil sofria um ataque à democracia: Jair Bolsonaro foi esfaqueado num ato público. Dois episódios que impactaram a sociedade e deixaram marcas na história”, publicou o partido na rede social Instagram.

A mensagem divulgada pelo PSL é acompanhada por uma fotomontagem em que é visível um avião a embater nas Torres Gémeas, juntamente com a imagem de Bolsonaro a sofrer a facada.

Um dos filhos do chefe de Estado do Brasil, o senador Flávio Bolsonaro, partilhou a publicação do partido na mesma rede social, acrescentando que está solidário com “todos os familiares de vítimas de terroristas”.

Enquanto alguns apoiantes do Governo de Bolsonaro usaram a imagem difundida para exigir justiça sobre o ataque ao atual Presidente, outros criticaram a comparação.

Jair Bolsonaro encontra-se em período de licença do cargo de chefe de Estado, após ter sido submetido a uma cirurgia no último domingo.

A nova cirurgia visou corrigir uma saliência que surgiu no local onde já fez três operações, após ter sofrido um atentado na campanha eleitoral, no ano passado, no Estado de Minas Gerais.

Os médicos estimam que Bolsonaro fique cerca de 10 dias em repouso após esta nova operação cirúrgica.

Os atentados de 11 de setembro de 2001 mataram quase 3.000 pessoas. Nesse dia, dois aviões atingiram o World Trade Centre, um o Pentágono e outro caiu na zona rural da Pensilvânia.

Ler mais
Recomendadas

Bielorrúsia: Macron defende saída de Lukashenko com a ajuda de Putin

“É evidente que Lukashenko tem de partir”, disse Macron ao Le Journal du Dimanche na véspera de uma viagem à Lituânia na segunda-feira, que acolhe alguma da oposição bielorrussa.

Papa não vai receber o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo

Francisco, que já recebeu Pompeo em outubro do ano passado, não recebe personalidades políticas durante as campanhas políticas, para evitar qualquer tipo de instrumentalização.

Partido nacionalista propôs restringir entrada de cidadãos da UE na Suíça. Maioria votou contra

A proposta, intitulada “Iniciativa para uma Imigração Moderada”, quer que o Governo suíço suspenda um acordo bilateral existente com a UE sobre a livre circulação de pessoas e assuma o controlo total da política de imigração do país.
Comentários