Pastelaria Biarritz dá lugar a cervejaria Portugália no bairro lisboeta de Alvalade

Depois do fecho da pastelaria Sul América, em 2016, o encerramento da Biarritz acontece numa altura em que o comércio de Alvalade dá sinais de revitalização, patentes, por exemplo, no renascimento dos centros comerciais de Alvalade e Roma, e na abertura de diversos novos negócios.

A pastelaria Biarritz, desde 1962 no lisboeta bairro de Alvalade, encerrou e vai dar lugar a uma cervejaria de uma cadeia portuguesa, que deve manter o nome original e a inscrição na calçada portuguesa.

“É uma pena, era uma referência. É a melhor esplanada do bairro”, comenta à Lusa Helena Fernanda, 61 anos, filha de jornaleiros do bairro e que, do quiosque em frente, viu nascer a Biarritz, a partir do espaço de uma antiga fábrica de lãs, no topo da Avenida da Igreja.

Depois do fecho da pastelaria Sul América, em 2016, o encerramento da Biarritz acontece numa altura em que o comércio de Alvalade dá sinais de revitalização, patentes, por exemplo, no renascimento dos centros comerciais de Alvalade e Roma, e na abertura de diversos novos negócios.

“Alvalade tem sido vítima positiva do deslocamento dos lisboetas do centro histórico”, disse à Lusa o presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, José António Borges (PS).

A ligação estreita com a comunidade, uma “relação de geografia sentimental dos alvaladenses com o seu comércio”, é outra das explicações de José António Borges, que sublinha outra especificidade: as lojas de Alvalade não só se mantêm como tendem a permanecer na mesma família.

É o caso da Biarritz, fundada por um conjunto de sócios, entre os quais Leopoldo Roque Silva. Nos anos 1970, entram na sociedade os irmãos Rui e Olímpio Roque Silva, saem os restantes sócios, e a pastelaria permanece naquela família até ao encerramento, altura em que era gerida por Miguel e Pedro Roque Silva, filhos de Rui Roque Silva.

No início dos anos 1990, a pastelaria sofre obras, “inovadoras para a altura”, com a criação de “duas zonas separadas, uma para exposição e outra zona de consumo”, quando as pastelarias em Lisboa eram só “espelhos, azulejos e inox”, contou à Lusa Miguel Roque Silva.

“Não foi fácil tomar a decisão de fechar. É preciso ter coragem para acabar com uma casa conhecida internacionalmente, que era um ponto de encontro em Lisboa”, disse o filho de Rui Roque Silva, atribuindo o seu encerramento a “um conjunto de fatores”.

A crise económica do início da década provocou um decréscimo de clientes, ao mesmo tempo que o IVA da restauração aumentou, e as condições exigidas à cozinha já não podiam ser satisfeitas no espaço disponível, apontou, acrescentando que ainda tentou, sem sucesso, a expansão para “a casa da porteira”.

“Aqui em Alvalade a experiência que temos é que é menos por causa da pressão urbanística ou de rendas do que motivos de gestão. Politicamente, a questão é menos dolorosa do que noutras zonas da cidade”, sustenta o presidente da Junta de Alvalade.

“Temos muita pena que algumas lojas históricas estejam a fechar, mas é muito residual neste momento, não é uma coisa que apareça como uma epidemia no bairro”, vincou.

O autarca revelou que a cadeia de cervejarias portuguesa que tomará conta do espaço vai manter o nome Biarritz, que continuará igualmente a estar inscrito na calçada portuguesa em frente, o que aconteceu por iniciativa dos novos proprietários, até porque a pastelaria não estava protegida por qualquer classificação, como a de loja com história.

Contactada pela Lusa, a Portugália confirmou que o espaço será uma das suas cervejarias, mas escusou-se a fornecer outras informações.

No quiosque em frente, Helena anseia por nova vida: “Não perdi muitos clientes, os meus clientes são habituais, mas no inverno escurece muito cedo, não quero estar aqui sozinha”.

Helena exibe recortes antigos com célebres clientes que partilhou com a Biarritz, como o antigo presidente da Câmara de Sintra Fernando Seara e evoca memórias de outros, como os autarcas da capital Santana Lopes e Carmona Rodrigues, e até do antigo presidente do Conselho Marcelo Caetano, a quem entregava o jornal em casa, ainda criança.

Pelas mesas da Biarritz passaram também o divulgador do jazz Luís Villas Boas, a cantora e atriz Simone de Oliveira e o escritor José Cardoso Pires.

Lá dentro, sem qualquer traço da antiga pastelaria, as obras para o que será a nova Biarritz já começaram.

Ler mais
Recomendadas

‘Under’: já se imaginou a jantar a cinco metros de profundidade?

O restaurante, com capacidade para 80 a 100 convidados, destaca-se pela paleta de cores que segue a lógica do ambiente marítimo. Se estiver interessado em jantar debaixo do mar, o preço por cada reserva é de 100 euros.

Mais de 500 vinhos portugueses mostram-se em Xangai

Em termos de desempenho dos vinhos nacionais no mercado chinês, os dados recolhidos até Agosto de 2018 revelam um crescimento de 4% em valor e um aumento do preço médio em 23,9% face ao mesmo período em 2017.

Portugal entre os países da União Europeia que mais vinho exporta

França, Reino Unido, EUA e Alemanha são os principais clientes dos produtores portugueses.
Comentários