Patrões admitem acordo nos 600 euros. Centrais sindicais recusam

As confederações patronais admitiram esta sexta-feira um acordo na Concertação Social para aumentar o salário mínimo nacional, desde que seja para 600 euros em 2019, mas as centrais sindicais recusaram, exigindo um montante superior.

Cristina Bernardo

As confederações patronais admitiram esta sexta-feira um acordo na Concertação Social para aumentar o salário mínimo nacional, desde que seja para 600 euros em 2019, mas as centrais sindicais recusaram, exigindo um montante superior.

As posições dos parceiros sociais foram transmitidas aos jornalistas à entrada de uma reunião da Concertação Social onde será discutido esta tarde o aumento do salário mínimo, atualmente de 580 euros.

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, voltou a dizer que tem a expectativa de que a subida não seja para um valor superior a 600 euros, considerando que no Orçamento do Estado não foram acauteladas medidas que favorecessem as empresas.

“O mais razoável é o Governo cumprir o seu programa e ficar nos 600 euros”, disse, acrescentando que a CCP dará o seu acordo se isso acontecer.

Também o presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, declarou que a atualização do salário mínimo para 600 euros “terá” o acordo da confederação.

“Estamos a aguardar com expectativa o que virá desta segunda reunião”, disse Francisco Calheiros.

Já o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), considerou que 600 euros é um valor que “faz parte do acordo anterior” e, portanto, não se trata de haver acordo, mas sim de “uma imposição”.

Do lado das centrais sindicais, a dirigente da UGT Lucinda Dâmaso voltou a defender 615 euros e sublinhou que se assim não for “obviamente que não terá o acordo” a central sindical.

O valor de 600 euros “foi um acordo com o Bloco de Esquerda e não com a UGT”, disse Lucinda Dâmaso.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu 650 euros e disse que 600 euros “é pouco” mas não indicou se a intersindical aceitará esse valor.

Ler mais
Relacionadas

Governo propõe aumento do salário mais baixo da Função Pública para 635 euros

Governo reuniu esta sexta-feira com os sindicatos da Função Pública. Aumento do salário mínimo da administração pública esteve entre as medidas negociadas.
Recomendadas

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.
Comentários